Jair Messias Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL), disse nesta segunda-feira (22) que os índices de violência a que a população brasileira é submetida já ultrapassaram o limite do que seria suportável, e que é necessário que todas as instituições que trabalham pelo estado democrático de direito ajam em favor dos cidadãos de bem ao invés de fornecerem assistência exagerada aos marginais.

Utilizando seu perfil oficial no Twitter, o presidenciável divulgou uma mensagem onde afirmou que a "violência no Brasil já passou da linha do absurdo há muito tempo e quanto mais recuamos, mais os criminosos avançam, e eles sabem disso!". Bolsonaro ressaltou que as normas, leis e diretrizes que vigoram atualmente no país deixam o povo cada vez "mais vulnerável a quem quer praticar um crime", e que, para combater este cenário, é preciso que haja uma transformação do que o candidato chamou de "cultura de defesa de direitos humanos que defende somente o direito de quem não era para ter tal representatividade excessiva".

Para o presidenciável, com o estabelecimento da mudança descrita acima, ocorreria o início do "verdadeiro desenvolvimento econômico e social do país", no qual todos os órgãos públicos trabalhariam em uníssono para atender as aspirações e anseios da população.

Otimismo e conversas com presidentes sul-americanos

Ainda na manhã desta segunda-feira (22), Jair Bolsonaro externou para os seus seguidores no Twitter que está otimista em relação ao resultado das Eleições presidenciais e aproveitou a ocasião para tecer uma crítica indireta aos partidos de esquerda, que costumeiramente utilizam a cor vermelha de forma oficial.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Eleições

Além disso, usando a mesma rede social de microblog, o candidato revelou que conversou por telefone com Mario Abdo Benítez, atual presidente do Paraguai pelo Partido Colorado, que, assim como Bolsonaro, possui um posicionamento político considerado de direita.

Abdo afirmou que, caso seja eleito o novo mandatário do Brasil, o presidenciável do PSL lhe disse que tem intenções de fortalecer as relações entre os dois países.

Esta não é a primeira vez que Jair Bolsonaro estabelece uma conferência com um líder sul-americano: após o primeiro turno das eleições brasileiras, o candidato já havia se comunicado com Mauricio Macri, presidente da Argentina, e na última terça-feira (16) os dois políticos voltaram a conversar por telefone.

O gabinete de imprensa de Macri, no entanto, não revelou o conteúdo do diálogo deste último contato, limitando-se apenas a emitir uma nota onde afirmou que houve uma "conversa cordial no marco do processo eleitoral do Brasil" entre Bolsonaro e o governante argentino.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo