Conforme os dados da pesquisa Datafolha divulgados na última segunda-feira (2), Jair Messias Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL), possui 32% das intenções de voto do eleitorado em geral, seguido por Fernando Haddad (PT), com 21%, Ciro Gomes (PDT), com 11%, Geraldo Alckmin (PSDB), com 9% e Marina Silva (Rede), com 4%. Entretanto, quando este mesmo levantamento considera apenas a preferência dos cristãos evangélicos neopentecostais –que representam atualmente cerca de 30% da população brasileira (ou seja, mais de 62 milhões de pessoas)–, o desempenho de Bolsonaro apresenta um salto expressivo.

A informação a respeito dos religiosos citados acima foi revelada em uma matéria da Folha de S.Paulo publicada na terça-feira (3). Segundo a reportagem, Bolsonaro lidera com folga entre os evangélicos neopentecostais, sendo o candidato preferido por 40% dos eleitores neste segmento, ao passo que Haddad, em segundo lugar, conta somente com 15% dos votos.

Apoio declarado

Antes mesmo de receber o recente suporte de líderes evangélicos, Jair Bolsonaro já contava com alguns religiosos atuando em sua campanha à presidência, como é o caso do senador Magno Malta (PR), que, além de pastor, é conselheiro do candidato do PSL. Outro apoiador de primeira hora é o pastor Silas Malafaia, presidente do ministério Vitória em Cristo –Malafaia, inclusive, fez visitas a Bolsonaro enquanto o candidato esteve internado no hospital Albert Einstein (onde permaneceu vários dias em função do atentado a facada sofrido na cidade de Juiz de Fora, em MG).

Por outro lado, o número de líderes evangélicos que declararam apoio a Jair Bolsonaro tem aumentado com a proximidade da realização do primeiro turno das Eleições, e nomes bem conhecidos tanto dentro quanto fora do universo protestante se somaram ao coro daqueles que acreditam que o candidato do PSL os representa.

Entre estes líderes, pode ser citado o bispo Edir Macedo, fundador e líder da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Acompanhando Macedo, também declararam voto no presidenciável Estevam e Sônia Hernandes, que estão à frente da igreja Renascer em Cristo, além do cantor gospel André Valadão (integrante da banda Diante do Trono) e o deputado Marco Feliciano (Podemos/SP), da "Catedral do Avivamento".

Outra pessoa de destaque neste universo é José Wellington Bezerra da Costa, líder da Assembleia de Deus –a maior denominação evangélica do Brasil. Em um culto recente, inclusive, Costa lembrou que Jair Bolsonaro é casado com uma mulher evangélica, e declarou que a sua orientação para os fiéis era a de "não votar na esquerda", além de ter ressaltado que o presidenciável do PSL expressa fé cristã até mesmo em seu slogan de campanha: "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos".

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Eleições
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!