De acordo com as informações da revista Veja, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria ficado descontente com algumas medidas tomadas pelo candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad. Lula não teria gostado do ex-prefeito de São Paulo ter tirado a cor vermelha de sua campanha eleitoral. Para o líder do PT, essa seria uma jogada arriscada e errada, pois mexeria com a identidade do partido.

Na coluna de Maurício Lima, um artigo publicado desta sexta-feira (19), ele afirma que Lula já teria "jogado a toalha" em relação a uma possível vitória de Haddad [VIDEO]. A situação ficou difícil já que a distância entre ele e Bolsonaro nas pesquisas é muito considerável.

A um interlocutor que foi visitá-lo na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, Lula admitiu a derrota na eleição. Na visão do ex-presidente e de vários membros do PT, apenas um escândalo de última hora poderia favorecer Haddad e mudar o resultado final da eleição. Entretanto, com a proximidade da votação [VIDEO] do segundo turno, o tempo está se esgotando para o PT.

Acusações contra Bolsonaro

O candidato Fernando Haddad decidiu fazer várias acusações contra Jair Bolsonaro sobre ter espalhado no WhatsApp notícias falsas através de empresas contratadas.

Em uma entrevista à rádio Globo, Haddad cobrou maior diligência do Ministério Público Eleitoral na apuração de denúncia de apoio de empresários à campanha de Bolsonaro, o que, segundo ele, não havia sido contabilizado.

Haddad se baseou numa notícia da Folha de São Paulo que denunciou supostas compras de disparos de notícias através do WhatsApp contra o PT.

Através do Twitter, Bolsonaro respondeu contra as acusações feitas por Haddad. Segundo o capitão, o PT não está sendo prejudicado por fake news, mas sim, pela verdade. Bolsonaro comentou sobre o dinheiro que supostamente roubaram da população e por isso foram presos, citou da afronta à Justiça, do desrespeito às famílias e da violência e caos que deixaram o país.

Haddad exclui Lula da capa do seu Plano de Governo

O ex-prefeito de São Paulo fez algumas modificações no seu Plano de Governo e decidiu excluir o ex-presidente Lula da capa. Seria uma nova estratégia de tentar buscar apoio daqueles que rejeitam o líder do PT.

Nas alterações feitas, Haddad mexeu na política de segurança, na política antidrogas e na abrangência das atividades do Banco Central.

Na capa, o candidato do PT aparece junto com sua vice de chapa Manuela D'Ávila e o ex-presidente Lula, que poderia estar junto com eles, foi retirado de cena. No entanto, o nome de Lula é mencionado por 55 vezes no documento, 5 a menos que o anterior.