O general da reserva e vice do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), Hamilton Mourão, diz acreditar que o petista Fernando Haddad é o candidato mais fácil a ser vencido nestas eleições em caso de um 2º turno. Mourão deixou claro que se Bolsonaro não ganhar no 1º turno no domingo (7), seu provável opositor deve ser Fernando Haddad. Diante dessa possibilidade, o general aposta na capitalização do sentimento anti-PT que existe no país.

Na manhã desta segunda-feira (1°), o militar da mais alta patente do Exército desembarcou em Brasília para visitar os filhos.

Publicidade
Publicidade

Minimizando a fala de Bolsonaro, quanto à aceitação de derrota, o general denotou a mudança do mesmo; já quanto a questão da auditoria das urnas eletrônicas em caso de um resultado desfavorável, Mourão reiterou achar que não, para ele ainda é muito cedo para isso.

Silêncio obsequioso

Segundo informações, Mourão esteve com Jair Bolsonaro no domingo (1), no Rio de Janeiro. O general teria sido orientado a não se "elevar" demais a ponto de ser um protagonista.

Debates e atos de campanha devem estar (aparentemente) fora de cogitação. [...] Estou em silêncio obsequioso [...]", disse Mourão. Obviamente isso se deve a declarações um tanto polêmicas do general, então silenciado pelo próprio Jair Bolsonaro para que o mesmo não atrapalhasse a campanha à Presidência da República.

O vice também colocou em cheque a ida de Bolsonaro a um debate que está marcado para ser transmitido pela TV Globo nesta quinta-feira (4).

Publicidade

Segundo Mourão, o médico não quer que Jair vá ao debate, nem o próprio general, apontando a vontade de Bolsonaro de ir ao debate, disse achar complicado que o mesmo tenha de ficar umas 3 horas de pé.

A recuperação de Jair Bolsonaro, debate e atração de eleitorado

Segundo informações do general, Jair passou seu 1º dia com a família em casa, não devendo sair para atos de campanha, apenas no domingo (7), devendo votar. Apesar de que a ordem dos médicos é que ele fique em casa se recuperando da facada que tomou em um comício na cidade de Juiz de Fora, em Minas.

Após receber alta, Bolsonaro já senta e caminha mas usa apoio para não se esforçar muito, já que há ainda uma grande quantidade de pontos no local da facada.

Em eventual 2º turno, Mourão vê que há ainda a possibilidade de atrair eleitores de Alvaro Dias, Amoêdo e parcela dos eleitores de Alckmin.

Leia tudo