O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, concedeu uma entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo e comentou sua opinião sobre o posicionamento de Jair Bolsonaro com a cultura. Além do mais, citou que há um silêncio entre os artistas que apoiam um eventual governo de Bolsonaro.

A princípio, Leitão avaliou que não acredita que o político do PSL possa acabar com a pasta da Cultura em seu governo. Muito pelo contrário, o ministro enfatizou que aliados de Bolsonaro, como o deputado Flávio Bolsonaro, mostram grande interesse pelo assunto.

Leitão disse que colocou o Ministério disponível para candidatos que desejam conhecê-lo e Flávio Bolsonaro é um dos que mais mostraram interesse. O ministro enfatizou que a cultura no Brasil ainda não atingiu os níveis desejados e muitas vezes passa a não ser observada como deveria.

Leitão acredita que Bolsonaro irá se posicionar a favor da cultura

O ministro foi questionado pelo Estadão pelo fato de Bolsonaro não dar declarações públicas sobre o Ministério da Cultura. No entanto, o ministro enfatizou que acredita que quando Bolsonaro sentar na cadeira de presidente e estiver com o programa em mãos, irá tomar consciência necessária sobre essa área.

Além disso, o ministro apontou que aliados de Bolsonaro já mostraram interesse, além de Flávio Bolsonaro, há também é o empresário Paulo Marinho.

Artistas apoiam Bolsonaro de forma silenciosa

O ministro enfatizou que há artistas que têm medo de falar seu apoio ao candidato do PSL. Leitão disse que a atriz Regina Duarte foi muito corajosa, pois sempre há um risco de retaliação. Com isso, o ministro acredita que há muitos outros artistas que se escondem para evitar críticas.

Leitão disse que há grandes artistas do cinema e do teatro que apoiam Bolsonaro, porém ele não poderia declarar os nomes.

Leitão diz que PT foi desastroso na gestão da Cultura

O ministro enfatizou que o PT fez acréscimos importantes na Cultura. Porém, enfatiza que hoje tem que lidar com os resquícios de uma gestão desastrosa do partido, que produziu prejuízos imensos ao erário.

O ministro disse que não é aceitável o PT ter deixado 25 mil prestações de contas em relação a captação de recursos via Lei Rouanet.

A lei é muito criticada por Bolsonaro.

Outro ponto de vista do ministro, é que manifestações vindas de artistas estão causando um impacto pequeno, devido ao fato da maioria ser guiada por uma visão política ideológica.

Não perca a nossa página no Facebook!