Com vaga garantida entre os países com desempenho mais baixo em Educação no mundo, o Brasil amargou as últimas posições em Leitura, Ciências e Matemática na última edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos. Na semana em que se comemora o Dia dos Professores, destacamos aqui as propostas dos presidenciáveis que disputam o segundo turno: Fernando Haddad e Jair Bolsonaro.

Fernando Haddad

Fernando Haddad foi o ministro da Educação no período de 2005 a 2012, e declara, em seu plano de governo, as seguintes propostas relacionadas a essa área:

  • Revogar a Reforma do Ensino Médio: Em seu programa de governo, Haddad afirma que a reforma foi feita sem diálogo e que, se tratando de mudanças que envolvem toda a sociedade, ele propõe um novo currículo para a Educação Básica;
  • Criar o Ensino Médio Federal: O plano de governo de Haddad afirma que os Institutos Federais são referência no Ensino Médio, o que torna viável a criação de um convênio com o objetivo de que o Instituto Federal mais próximo acompanhe a escola pública, em áreas com alto índice de violência e baixo rendimento escolar;
  • Internet de alta velocidade nas escolas: Para melhor aproveitamento dos laboratórios, centros culturais e bibliotecas;
  • Expansão das escolas: Em seu governo, Haddad se responsabilizará por reformar as escolas e fazer com que suas portas fiquem abertas à comunidade;
  • Bolsa Permanência: Oferecer ao jovem de baixa renda, uma bolsa que o permita concluir os estudos, sem ter que abandonar a escola para ter que trabalhar;
  • Sistema S: Haddad pretende aumentar o número de alunos no chamado Sistema S, composto pelo Sesc, Sesi, Senai e Senac;
  • Expandir os Institutos Federais: Levar para todo o Brasil, unidades de Institutos Federais, a fim de garantir oportunidades aos jovens que vivem em regiões mais propícias à violência.

Jair Bolsonaro

O plano de governo de Jair Bolsonaro apresenta, com relação à Educação, as seguintes propostas:

  • Mudar o método e o conteúdo do ensino: Modernizar o aprendizado, mudando a Base Nacional Comum Curricular, com o intuito de impedir a aprovação automática, incluir mais português, ciências e matemática, além de restringir a doutrinação e a sexualização precoce dentro das salas de aula;
  • Professores: Estabelecer uma crescente qualificação dos professores, visando buscar um lugar de destaque entre os países no tocante à Educação;
  • Inverter a pirâmide: No documento enviado ao TSE, consta que o Brasil investe muito mais em Ensino Superior do que no Ensino Fundamental e Médio, e a inversão da pirâmide tem o objetivo de fazer com que o apoio aos estudos comece na infância. A prioridade será a Educação Básica, o Ensino Médio e o ensino técnico;
  • Universidades: Em seu plano de governo, Jair Bolsonaro afirma que as universidades devem gerar avanços para o Brasil, como desenvolver novos produtos, elevar a produtividade, a riqueza e o bem estar da sociedade. Elas também devem impulsionar o empreendedorismo;
  • Educação à distância: O candidato considera o ensino à distância um instrumento importante para as áreas onde a distância impede ou dificulta as aulas presenciais;
  • Integração: Propõe que o Governo Federal, os estados e os municípios trabalhem juntos para melhorar a qualificação dos professores e o desempenho dos alunos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo