Na última quinta-feira (18), durante a tarde, os advogados dos presidenciáveis Jair Bolsonaro, do Partido Social Liberal (PSL), e Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), foram convocados pela Procuradora-geral da República Raquel Dodge, para tratar sobre a questão de fake news (notícias falsas). O ato das notícias falsas caracteriza propaganda irregular.

De acordo com nota divulgada no site do MPF, a procuradora reiterou a necessidade de os candidatos à Presidência da República se comprometerem a cumprir a legislação eleitoral e a não estimular a violência e a disseminação de notícias falsas.

PGR chama a atenção para a liberdade de expressão e a democracia

Em tom afirmativo, a Raquel Dogde chamou a atenção para o fato de que autoridades públicas vem demonstrando preocupação com certas práticas, que segundo ela tem afligido a consciência da nação. Dodge apontou que as autoridades têm exigido punições.

Destacando o direito da liberdade de expressão, a Procuradora deixou claro que nem todo o uso da liberdade é conveniente à democracia, de maneira imperativa. Raquel ligou a democracia com a disseminação da verdade.

De início, quatro autoridades representantes participam, Fachin faz apelo

Estiveram presentes logo no início da reunião, o vice-procurador-geral eleitoral Humberto Jacques de Medeiros, o Ministro Edson Fachin, representando o Tribunal Superior Eleitoral (embora o mesmo seja Ministro do STF - Supremo Tribunal Federal) e Raul Jungmann, então Ministro de Segurança Pública.

Em sua fala, o ministro do STF Edson Fachin, averiguou que a Justiça Eleitoral serve à democracia e conclamou a todos para que assim fizessem o mesmo.

O ministro pediu para que não se fomentasse nem se distribuíssem as chamadas fake news, Fachin também pediu pela paz, respeito e os demais valores éticos, refutando a violência e pedindo para que as instituições fossem preservadas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo