O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta 23 supostas inconsistências nas contas de campanha apresentadas pela equipe de Jair Bolsonaro [VIDEO]. Despesas com advogados e gráficas estão sob suspeita, assim determina o TSE referente à prestação de contas que, como aponta o ministro Barroso, sofrem com a falta de documentos e coerência interna entre pagamentos e empresas não cadastradas para prestar determinados serviços.

Intimado nesta terça-feira (13) pelo ministro Roberto Barroso, o presidente eleito deve apresentar esclarecimentos quanto aos gastos de sua campanha (três dias foram dados para que os devidos esclarecimentos fossem feitos – decisão ressaltada em sessão extraordinária no TSE), pois certo “desencontro” estaria acontecendo na verificação dos documentos, seja por conta da falta dos mesmos ou da incompatibilidade numérica frente as declarações daqueles que compuseram a campanha eleitoral do presidente eleito.

As supostas irregularidades foram apontadas por técnicos da Asepa, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O plenário do tribunal eleitoral irá julgar todo o procedimento, este submetido por Barroso. Ainda não há data marcada para a Corte analisar o caso.

Após declarações das empresas, Facebook e Twitter, afirmando que a campanha eleitoral do Bolsonaro não recorreu ao disparo em massa de “propaganda” via pagamento por parte de empresas privadas, os eleitores fiéis do presidente eleito nas redes sociais se mostraram animados, pois poderiam renovar sua confiança na composição do novo governo [VIDEO].

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

No entanto, novos fatos trazidos à baila colocam Bolsonaro novamente em cheque.

Dia 10 de dezembro ocorrerá a diplomação do vencedor das eleições, sinalizando os últimos passos da transição para o novo Governo. Bolsonaro deverá resolver tais “pendências” antes de tal data, colaborando para com o TSE.

De acordo com a prestação de contas, a campanha de Bolsonaro arrecadou R$ 4.377.640,36, sendo gastos R$ 2.812.442,38.

Alguns problemas encontrados pelo STE

- Notas fiscais referentes a despesas com mídias digitais estão sendo pedidas.

- Serviços advocatícios são investigados. O TSE busca o detalhamento dos serviços prestados.

- Despesas com serviços contábeis não foram declaradas.

- Financiamento a partir de empresa sem registro gera suspeitas, pois a mesma não possuia cadastro para serviço de arrecadamento.

Demais questionamentos somam, juntamente com esses, um total de 23 inconsistências.

Caso tais inconsistências não sejam sanadas antes da diplomação, o andamento do processo de transição do novo Governo não sofrerá adiamentos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo