O comandante máximo do Exército brasileiro e uma das principais autoridades das Forças Armadas do país, general Eduardo Villas Bôas, concedeu uma entrevista ao jornal "Folha de São Paulo" e pôde fazer uma análise minuciosa em relação ao papel a ser desempenhado pelos militares e supostos "riscos" no futuro governo do presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro. Um dos principais expoentes da Força foi entrevistado diretamente do Quartel-General do Exército.

Publicidade
Publicidade

Ao se expressar sobre a eleição de Jair Bolsonaro para o comando do Palácio do Planalto, o general Villas Bôas afirmou que torna-se algo inevitável uma espécie de associação entre o futuro governo e o Exército brasileiro, em se tratando da possibilidade das "ideias serem personalizadas" nos quartéis, o que poderia culminar em um tipo de eufemismo para que haja a quebra de hierarquia, embora o comandante máximo da Força acredite que o risco seria, todavia, muito baixo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Alerta e preocupação com o próximo governo do país

O general Eduardo Villas Bôas, que completou 67 anos de idade, na última quarta-feira (07), reiterou que o Exército estaria preocupado com o risco de que ocorra uma "politização dos quartéis", a partir do início do governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Com a ascensão do capitão reformado ao poder, o general Villas Bôas pretende implementar ações que se estabeleçam uma linha divisória entre a instituição e o governo.

Publicidade

Ao citar o presidente eleito, Villas Bôas afirmou, durante a realização da entrevista à imprensa paulista, que "a imagem de Bolsonaro como militar, seria algo que vem de fora, já que ele seria muito mais político". O chefe militar concluiu que no Exército "estariam tratando com extremo cuidado a interpretação de que a eleição de Bolsonaro possa representar uma volta dos militares ao poder".

Entretanto, o general descartou totalmente que venham a ocorrer riscos à democracia, devido ao voluntarismo do presidente eleito da República.

Villas Bôas rememorou um período considerado "turbulento" para o país, em meados de 2015, já com o Exército sob seu comando, em que afirmou ter agido no "limite". O militar se referiu às publicações em sua página oficial do Twitter nas redes sociais, em que o mesmo teria postado mensagens, justamente às vésperas do julgamento de um habeas corpus impetrado pelos advogados do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, juntamente ao Supremo Tribunal Federal (STF) em 03 de abril deste ano.

Publicidade

O general recorda que naquele episódio, sua manifestação nas redes sociais de "preocupação com a impunidade" acabou sendo vista como um ameça velada à mais alta instância do Poder Judiciário do país, o que o militar nega completamente. Atualmente, o comandante do Exército acredita que o saldo referente àquele episódio tenha sido muito positivo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo