O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, procurador Deltan Dallagnol, expressou-se através de suas redes sociais a respeito de riscos inerentes à operação anticorrupção implementada em Curitiba. Vale ressaltar que a força-tarefa de investigação é conduzida atualmente em primeira instância pela juíza federal Gabriela Hardt, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba. A magistrada federal substituiu o ex-juiz federal Sergio Moro.

Publicidade
Publicidade

O ex-magistrado foi exonerado na última segunda-feira (19), após ter tomado a decisão em aceitar um convite do presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro, para que assumisse o comando do Ministério da Justiça e da Segurança Pública no próximo governo. A juíza Gabriela Hardt, recentemente, ouviu em depoimento o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. O ex-mandatário já cumpre pena de doze anos de prisão em regime fechado, em relação à prática de crimes de Corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no inquérito que envolveu a aquisição de um imóvel de luxo na cidade de Guarujá, litoral de São Paulo, segundo as investigações da Lava Jato.

Publicidade

Nova batalha a ser enfrentada pela Operação Lava Jato

Membro do Ministério Público Federal, Dallagnol escreveu em seu perfil oficial no Twitter que a Operação Lava Jato está apta a se deparar com uma nova batalha, considerada por ele, como de "vida ou morte". Deltan Dallagnol se referia à uma suposta decisão que possa vir a ser tomada pela mais alta instância do Poder Judiciário brasileiro, o Supremo Tribunal Federal (STF). Trata-se da possibilidade de que crimes relacionados à corrupção e lavagem de dinheiro possam tramitar na Justiça Eleitoral.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Governo

Dallagnol alertou que se isso vier a ocorrer, em se tratando de esquemas de propinas relacionados às campanhas eleitorais, "toda a Operação Lava Jato poderá ser anulada e a sangria estará estancada", segundo o procurador da República. Ainda, de acordo com o que Deltan se expressou em sua rede social, propinas eram destinadas aos bolsos de corruptos e também para as campanhas eleitorais.

O coordenador da Operação Lava Jato escreveu ainda que na maioria dos casos relacionados às práticas de corrupção e distribuição de propinas, não se constatavam simplesmente práticas de caixa dois porque havia venda da função pública.

Além disso, o próprio Supremo Tribunal Federal (STF) pode vir a decidir que o juiz Sergio Moro e a força-tarefa da operação anticorrupção não deveriam ter investigado e nem processado os crimes cometidos, por serem exclusivos da Justiça Eleitoral.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo