O ex-ministro José Dirceu e "homem-forte" do primeiro Governo do ex-presidente Lula lançou em São Paulo, na noite desta segunda-feira (12), seu livro de memórias e, durante discurso para um público de apoiadores, fez uma análise da atual conjuntura política brasileira e do futuro governo do presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro (PSL).

O ex-ministro petista alertou que o Partido dos Trabalhadores (PT) teria sido derrotado, não somente eleitoralmente, mas também, no campo ideológico.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, "haveria um Brasil profundo que se manifestou, de modo legítimo e também democraticamente", em alusão ao resultado da última eleição presidencial no país, vencida por Bolsonaro, sobre o candidato do PT, Fernando Haddad.

Apoio e base social no futuro governo do país

O ex-ministro José Dirceu argumentou ainda que o futuro governo de Jair Bolsonaro não se encontrará isolado, pois, segundo o petista, "não devemos nos iludir, pois, é um governo que possui muita base social, possui também muita força e até mesmo, muito tempo pela frente".

Dirceu considera ainda que o futuro governo irá se direcionar a um dos assuntos mais complexos e um dos graves problemas do país, a segurança pública. De acordo com o petista, o governo Bolsonaro "vai transformar a segurança em pauta".

José Dirceu reconheceu, durante seu discurso, que o PT teria se afastado da população. O ex-ministro questionou a plateia presente, "onde o PT estava quando o filho de uma mulher muito pobre chegava em casa, sob efeito de drogas, ou mesmo, em se tratando de momentos considerados trágicos na vida do brasileiro", ao fazer uma análise do cenário político atual.

Publicidade

Ele concluiu ainda, que o PT, em aproximadamente "13 anos e meio de vida institucional, se afastou do dia a dia do povo brasileiro".

Entretanto, durante um momento em que discursava o ex-ministro não deixou de fazer críticas à sua própria sigla partidária. Embora o ex-ministro tenha considerado como algo heroico, a disputa eleitoral trava pelo candidato derrotado Fernando Haddad e até ao comentar a respeito das fake news no resultado da eleição presidencial, "eles somente chegaram lá (no eleitor), porque não estávamos lá onde eles chegaram", em alusão à derrota petista no segundo turno da disputa eleitoral.

O ex-ministro concluiu que a esquerda conta com uma militância com características culturais, de modo que esteja preparada intelectualmente para a defesa da democracia e atribuiu aos adversários com a tentativa de imporem o "medo". No entanto, Dirceu admitiu que "o PT está na defensiva e que as esquerdas foram derrotadas e que se faz necessário que haja sabedoria política". Vale ressaltar que José Dirceu já foi condenado a mais de 30 anos de prisão no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.

Publicidade

Porém, o ex-ministro responde ao seu processo em liberdade, após decisão de soltura concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia tudo