O portal "Folha de S.Paulo" entrevistou o ex-advogado de Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo. Agora, com a carreira política encerrada, o ex-ministro da Justiça avaliou o juiz federal Sergio Moro, que a partir do dia 19 de novembro passará a integrar a fase de transição para o superministério da Justiça no Governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Sobre Sergio Moro, o ex-advogado da petista disse que não há possibilidade de assumir um cargo em ministério que seja absolutamente técnico.

Moro enfatizou que sua atuação não se voltará para o lado político, mas técnico devido as consequências de seu cargo. Por outro lado, Cardozo avalia que isso não é possível ocorrer.

Além do mais, Cardozo diz que Sérgio Moro deveria ter imposto uma quarentena por questões éticas antes de assumir o cargo. O ex-advogado enfatizou que o fato de Moro aceitar o convite foi algo que lhe trouxe surpresas, pois não acreditava que o juiz tomaria essa decisão.

Choque de opiniões

O portal da "Folha" questionou Cardozo se será possível ocorrer possíveis divergências entre Moro e Jair Bolsonaro. O ex-ministro foi enfático e levantou alguns pontos que teme haver um choque de opiniões.

Cardozo deixou claro que não concorda com atuação judicial de Sergio Moro. No entanto, avaliou que o futuro ministro da Justiça tem visões mais "acirradas das conquistas da civilização humana".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Sergio Moro

Com isso, poderá haver divergência com Bolsonaro em questões que se remetem a enquadrar movimentos sociais como atos de terrorismo.

Cardozo também cita que não acredita que Sergio Moro irá defender que um policial mate livremente e não seja punido. O ex-advogado da petista disse que há muitas coisas ditas por Bolsonaro que ele acredita serem barbaridades. Porém, acha que Sérgio Moro tomará posicionamentos, muitas vezes, contrários ao presidente eleito. "Ou o presidente se submeta ao ministro da Justiça ou o ministro da Justiça se submeta ao presidente", diz Cardozo.

Moro exonerado

O juiz federal pediu exoneração do cargo para o presidente do Tribunal Regional Federal da 4° Região. Sergio Moro, a partir do próximo dia 19, deixará a magistratura na qual atuou durante 22 anos. O futuro ministro participará da transição do governo e assumirá o superministério a convite do presidente eleito Bolsonaro.

Moro ganhou grande notoriedade ao colocar na cadeia grandes empresários e políticos, incluindo o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo