O futuro ministro da Defesa do Governo de Jair Bolsonaro, Fernando Azevedo e Silva, concedeu entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. Na entrevista, Azevedo e Silva deixou claro que as Forças Armadas estão "vacinadas" em relação à política do Brasil.

O general foi assessor do presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Dias Toffoli, e afirmou acreditar que as Forças Armadas não estão "coladas" em Bolsonaro, que é capitão reformado e presidente eleito do Brasil.

Publicidade
Publicidade

Na entrevista, Azevedo e Silva foi questionado da recente tentativa do Exército em não vincular a imagem da instituição com o futuro governo. No entanto, o general respondeu que não há necessidade de isso acontecer, pois as Forças Armadas não estão, de forma alguma, vinculadas à imagem de Jair Bolsonaro, mesmo que o presidente tenha sido um militar da instituição.

O portal também falou sobre diversos temas, e relembrou a fala do filho de Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, quando, em um episódio polêmico, disse que para fechar o Supremo era necessário apenas "um soldado e um cabo". O futuro ministro da Defesa respondeu prontamente que isso era assunto encerrado e foi falado dentro de um contexto em específico.

Publicidade

Fala de Villas Bôas na véspera do julgamento do hc de Lula

Recentemente, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, declarou à Folha ter agido "no limite" quando publicou no Twitter mensagens na véspera do julgamento no STF de um habeas corpus do ex-presidente Lula, em 3 de abril. Na ocasião, o militar afirmou que repudia "a impunidade" e que o Exército estava "atento às suas missões institucionais", dando margem a interpretações de um possível apoio a uma intervenção militar.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Lula

No entanto, a decisão dos ministros foi contrária ao pedido da defesa de Lula e o habeas corpus negado. Com isso, no dia 7 de abril, Lula foi preso pela Polícia Federal.

General Azevedo e Silva contou que Eduardo Villas Bôas não quis dizer que o Exército iria agir. Para ele, a fala do comandante não remete a uma possível intervenção militar. "Villas Bôas é um democrata, sabe o papel do Estado, da importância do Judiciário", disse.

O jornal ainda perguntou o que aconteceria se tivesse ocorrido outro resultado no julgamento do Supremo, fazendo com o que habeas corpus de Lula fosse aceito e impossibilitasse a ida do político para a cadeia. General Azevedo e Silva rebateu, salientando que isso não aconteceu.

O comandante do Exército disse que a fala se deu pelo momento crítico que o país estava vivendo. Na época, o general não agradou os ministros da Corte.

Publicidade

Governo Bolsonaro

O futuro governo de Jair Bolsonaro conta com alguns ministérios já definidos. General Augusto Heleno (GSI), Azevedo e Silva (Defesa), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo