O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta última sexta-feira (23) ter certeza de que políticos poderosos estão por trás da morte da vereadora Marielle Franco, do PSOL. A jovem foi morta em março deste ano, no Rio de Janeiro .

Raul Jungmann disse que chegou nesta conclusão após a própria Polícia Federal ser impedida por autoridades do Rio de Janeiro a darem andamento com as investigações sobre o crime.

Entretanto, agora o órgão está investigando não apenas o episódio do assassinato em si, mas também um suposto complô integrado envolvendo autoridades públicas que tem o intuito de arquivar o caso. A PF foi impedida cerca de 3 vezes nas investigações.

Raul Jungmann afirmou que acredita que a Polícia Federal irá avançar com o caso. Ele disse que a PF é uma das melhores polícias investigativas do mundo.

Jungmann também disse que acredita que será esclarecido o suposto complô entre poderosos e que o objetivo é acabar com este tipo de crime que deixa o Rio de Janeiro refém.

O ministro ainda frisou: "A procuradora-geral da República (Raquel Dodge) teve acesso a duas testemunhas. Uma o Orlando Curicica e outra que permanece no anonimato, em que são feitas gravíssimas, enfatizo, gravíssimas acusações a agentes públicos aqui do Rio de Janeiro." Jungmann afirmou que milícias, agentes públicos, autoridades públicas não tinham interesse no avanço das investigações.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, a federalização do caso iria afetar a autonomia das autoridades estaduais. O ministro foi questionado sobre a demora da conclusão do caso, pois o crime ocorreu em março e já se passaram muitos meses. Com isso, Jungmann disse que esperava a elucidação do crime muito antes.

Recentemente, o secretário de segurança da Rio, general Richard Nunes, disse que milicianos estão envolvidos no assassinato.

O ministro Raul Jungmann avaliou concordar com a opinião de Nunes.

Jungmann esteve nesta última sexta-feira no Simpósio Nacional de Combate à Corrupção, ao lado do futuro ministro da Justiça Sergio Moro, do governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e também do atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella.

Simpósio

Sergio Moro aproveitou o evento nesta sexta-feira ao lado de autoridades para declarar que a partir do primeiro ano de seu mandato como ministro da Justiça irá tentar a aprovação de um projeto de combate à corrupção.

Moro evidenciou que o projeto é uma espécie de "Plano Real" contra a criminalidade.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo