O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) já disse, em entrevistas, que não pretende concorrer a um segundo mandato. Diante disso, antes mesmo dele assumir o governo, seus auxiliares já estão vendo em Sergio Moro a chance dele suceder o capitão. Essa ideia já circula no núcleo duro que compõe a equipe do capitão reformado do Exército.

Dessa forma, além de ser um dos nomes cogitados a assumir uma cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF), após algum dos ministros se aposentar, Moro também é visto como um presidenciável para muitos auxiliares de Bolsonaro.

Entretanto, integrantes petistas e críticos do juiz condenam a sua entrada no governo de Bolsonaro. Para eles, Moro estaria demonstrando que todas as ações que da Lava Jato tiveram o intuito de prejudicar o PT. Contudo, o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, comentou que o juiz não pode ser questionado por decisões que teve no passado. Todos devem respeitar o que ele achou melhor fazer no momento.

O senador petista Lindbergh Farias publicou no Twitter que Moro prendeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva porque queria impedi-lo de concorrer. Em seguida, aceita o convite de Bolsonaro para ser um "superministro", disse o parlamentar. Para ele, isso é inaceitável.

Convite aceito

Nesta quinta-feira (1°), o juiz Moro foi até a casa de Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro, e aceitou o convite feito de chefiar o Ministério da Justiça e da Segurança Pública.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Sergio Moro

Moro disse que atuará no combate à corrupção e buscará evitar que o Brasil tenha um retrocesso contra a impunidade.

O magistrado também reiterou que irá trabalhar mediante o respeito à Constituição, as leis e o direito. O juiz disse que lamenta ter que deixar o cargo de magistrado, que já está há 22 anos, mas viu a chance de contribuir de uma outra forma em prol do país.

Declarações de Mourão

O vice-presidente eleito, general Antonio Hamilton Mourão, afirmou que a aceitação de Moro para ministro foi um "golaço" do próximo governo.

Segundo o general, Moro terá autonomia total para tomar decisões e terá acesso a qualquer momento para conversas com Bolsonaro.

Mourão também defende que Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) seja integrado ao Ministério da Justiça, o que ajudará em muito nos processos investigatórios. Atualmente, o Coaf está integrado ao Ministério da Fazenda.

Moro dará em breve uma coletiva para explicar a sua tomada de decisão em aceitar o convite do presidente eleito.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo