No último domingo (11), Sergio Moro deu entrevista ao Fantástico, da Globo, respondendo as criticas e elogios que recebeu ao aceitar o cargo de futuro ministro do presidente eleito, Jair Bolsonaro. A entrevista foi realizada pela repórter Poliana Abrita.

Em 2016, em sua primeira entrevista na qualidade de juiz da Operação Lava-Jato, ele afirmou que jamais entraria para a política. No entanto, após aceitar o convite de Bolsonaro, Moro começou a receber diversas críticas por ter aceitado ser o novo Ministro da Justiça e da Segurança Pública.

“Eu estou exercendo uma função completamente técnica, não me vejo em um palanque pedindo voto como candidato. Isso não é da minha natureza. Se tudo der errado, eu deixo o cargo ministerial e terei de me reinventar no setor privado.” respondeu Moro em dado momento.

Na entrevista, ele ainda afirmou: "Eu não assumiria o papel de ministro da Justiça com o risco de comprometer a minha biografia, o meu histórico.

Isso foi objeto de discussão e a afirmação do presidente eleito é que ninguém seria protegido se surgissem casos de corrupção.”

O futuro ministro defendeu possível afastamento de ministros envolvidos em denúncia de corrupção: "Tem que ser avaliado. Acho que é uma falácia que se ouviu no passado que é preciso esperar o trânsito em julgado. Defendo que em caso de corrupção se analise as provas e faça um juízo de consistência.”

População

Sobre o que a população pensa, moro rebateu: “O que eu percebia nas pessoas comuns era um certo entusiasmo, um desejo de que eu aceitasse esse convite.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro

As pessoas me procuram, me cumprimentam. Para mim, é um sinal de que há uma grande expectativa. E espero corresponder a essa expectativa.”

A repórter foi objetiva em seus questionamentos e Moro respondeu a todas as perguntas.

Questionado sobre o que o motivou a aceitar o convite, ele afirmou: “O grande motivador para aceitar o convite foi poder implementar uma agenda anticorrupção e anticrime organizado.”

Moro não se esquivou nem mesmo das críticas sobre o caso Lula, e ponderou: “Existe uma fantasia de que o ex-presidente Lula teria sido excluído do processo eleitoral por conta de perseguição política.

Mas ele foi preso porque cometeu um crime. Eu proferi essa decisão em meados de 2017 e nem conhecia o presidente eleito Jair Bolsonaro. Mas pelo que eu vejo pelas pessoas comuns, ninguém tem essa desconfiança. Eu estou indo consolidar os avanços da Operação Lava Jato em Brasília.”

O caso Onyx

Sobre Onyx Lorenzoni, futuro Ministro da Casa Civil e réu confesso de uma ação que investiga caixa 2 envolvendo recursos provenientes da JBS, Moro afirmou: “Ele, Lorenzoni, já admitiu e pediu desculpas.”

“A Constituição Federal proíbe um juiz de assumir um cargo no executivo.

Não estou praticando nenhum ato oficial, só vou assumir o cargo, quando passar as férias.” Justificou Moro após o questionamento da repórter sobre críticas que recebeu após ter participado da equipe de transição do governo de Jair Bolsonaro.

Moro, ao aceitar o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro, abriu mão de uma carreira com estabilidade. Acredita-se que ele possa estar de olho em uma indicação ao Supremo Tribunal Federal.

Fato que até mesmo já foi mencionado pelo futuro presidente Jair Bolsonaro. A próxima vaga no STF surgirá em novembro de 2020, quando o decano Celso de Melo se aposentará.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo