O ministro do Supremo e relator dos processos da Lava Jato na Corte, Edson Fachin, enviou nesta última terça-feira (20) um pedido de parecer para a Procuradoria Geral da República (PGR) a respeito do pedido de liberdade apresentado pela defesa do ex-presidente Lula, preso por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A defesa do ex-presidente enfatiza na Justiça que o juiz federal Sergio Moro agiu com parcialidade no caso.

Com isso, enviaram um novo pedido de liberdade ao petista, apontando que Lula foi julgado injustamente. Para justificar, ressaltam a aceitação de Sergio Moro ao convite do presidente eleito Jair Bolsonaro. Moro assumirá a partir de janeiro o superministério da Justiça.

O mesmo argumento da defesa já havia sido usado em outro habeas corpus, rejeitado pela Justiça. No entanto, a diferença desse novo pedido é a aceitação de Moro ao Ministério da Justiça.

A equipe de Lula, composta por diversos advogados, avaliou que haveria "inimizade capital" e "interesses exoprocessuais" na condenação do petista. As tentativas da defesa também eram de afastar Moro dos processos.

O ministro Edson Fachin, há cerca de duas semanas, pediu para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e 13ª Vara Federal de Curitiba enviassem informações relativas aos processos que envolvem Lula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Governo

No entanto, nesta terça-feira (20), o ministro resolveu encaminhar recurso para a Procuradoria Geral da República, que esta no comandado de Raquel Dodge, antes mesmo que o TRF-4 repassasse os dados dos processos.

Fachin disse que o prazo que deu para que os órgãos respondam já havia se encerrado. Agora, Fachin deseja que a Procuradoria dê parecer opinativo em um prazo de até 5 dias.

Julgamento do habeas corpus de Lula ainda este ano

Fachin disse para jornalistas que seu objetivo era colocar em julgamento o habeas corpus de Lula antes que houvesse o recesso do Judiciário.

O ministro aguarda posicionamento dos outros órgãos, e, se caso tudo ocorrer bem, antes do dia 20 de dezembro o pedido da defesa de Lula estará em julgamento pela Corte.

Lula será julgado pela Segunda Turma da Corte, composta pelos ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Celso de Mello e Gilmar Mendes. Anteriormente, Dias Toffoli fazia parte da Segunda Turma, porém, com sua ida para a Presidência do Supremo, fez de Cármen Lúcia a substituta de Toffoli na avaliação do caso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo