O ex-presidente do Senado da República e senador do MDB pelo estado de Alagoas, Renan Calheiros, tornou-se alvo de investigações conduzidas por uma força-tarefa da Polícia Federal, com base em informações repassadas por instituições financeiras da Suíça. Vale ressaltar que a força-tarefa de apurações da Polícia Federal fez um rastreamento de altas somas de dinheiro que teriam beneficiado um dos principais partidos políticos do país e vários de seus membros, o MDB.

As descobertas da Polícia Federal se referem especificamente, ao MDB do Senado Federal e envolveria parte de um acerto de propinas com políticos da sigla supracitada. Além disso, as investigações teriam levado à descoberta de depósitos bancários verificados em contas rastreadas na Suíça.

Rastreamento de valores e envolvimento do senador Renan Calheiros

De acordo com as investigações implementadas pela força-tarefa dos agentes federais, depósitos realizados por lobistas de aproximadamente US$ 3 milhões serviram para abastecer contas bancárias na Europa, especialmente na Suíça, tendo como um dos principais beneficiários o senador alagoano Renan Calheiros.

Os acertos relacionados à distribuição de propinas por meio do sistema financeiros internacional teriam ocorrido em troca de contratos fictícios firmados na maior estatal brasileira; a Petrobrás. As informações foram repassadas pelo jornal "O Globo".

Vale ressaltar que a Petrobrás enfrentou um mega esquema de Corrupção, denominado de "Petrolão", segundo as investigações da força-tarefa da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Lava Jato

A Lava Jato é conduzida atualmente em primeira instância, pela juíza federal Gabriela Hardt, substituta do ex-juiz Sergio Moro, que aceitou compôr a equipe de transição do presidente eleito da República, Jair Messias Bolsonaro. Moro deverá comandar a pasta do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, no próximo governo. Já a magistrada Gabriela Hardt assume o comando das investigações, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná.

Entretanto, segundo as investigações da Polícia Federal que vieram à tona recentemente, o rastreamento de propinas que abasteceram contas na Suíça, teriam se desencadeado por intermédio de duas contas controladas pelo empresário da cervejaria do Grupo "Itaipava", Walter Farias. O esquema envolvendo o senador Renan Calheiros aponta, segundo as investigações, que o MDB teria recebido "comissões" de contratos da Diretoria Internacional da Petrobrás, comandada por Nestor Cerveró, durante o período em que supostos crimes de corrupção teriam se passado.

Porém, a própria Polícia Federal faz ressalvas de que as provas e evidências estão em uma esfera considerada de caráter indiciário.

Vale lembrar que o senador Renan Calheiros, reeleito para o cargo de senador, foi denunciado apenas uma vez no âmbito das investigações da Operação Lava Jato. No entanto, a denúncia formulada pelo ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acabou sendo rejeitada pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo