Sergio Moro, ex-magistrado federal [VIDEO] e futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública no Governo do presidente eleito [VIDEO], Jair Messias Bolsonaro, anunciou que levou para o seu gabinete de transição em Brasília alguns integrantes da Operação Lava Jato.

Vale lembrar que Sergio Moro foi exonerado, nesta segunda-feira (19), do cargo de juiz federal de primeira instância na magistratura brasileira. Moro foi o responsável pela condução da Operação Lava Jato no Paraná, como titular da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Polícia

Os processos relacionados às investigações da força-tarefa da Lava Jato, encontram-se sob a alçada da juíza federal substituta, Gabriela Hardt. Dentre os inquéritos sentenciados por Moro, está o do caso referente à aquisição do apartamento de luxo tríplex, por parte do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

O ex-mandatário petista acabou sendo sentenciado à prisão para cumprimento de uma pena de mais de doze anos de prisão, por práticas criminosas de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Atualmente, no âmbito da força-tarefa da Lava Jato, o ex-presidente Lula responde um inquérito relacionado a reformas feitas em um sítio, localizado em Atibaia, no interior do estado de São Paulo. O petista teria sido beneficiado por recursos ilícitos oriundos de empreiteiras envolvidas no mega esquema de corrupção da Petrobras.

Nova equipe ministerial

Sergio Moro fez o anúncio de alguns nomes que irão compôr a sua equipe de transição de governo. Dentre eles, há alguns integrantes que faziam parte da Operação Lava Jato, como Rosalvo Franco Ferreira, ex-superintendente regional da Policia Federal do Paraná.

Outro nome de destaque da força-tarefa da operação e que estará trabalhando juntamente a Sergio Moro, trata-se de Erika Mialik Marena. Ela é considerada uma das primeiras delegadas federais a comandar a Operação Lava Jato, tendo sido, inclusive, responsável pelo nome atribuído à operação.

Sergio Moro começa, assim, a delinear como será focado o seu trabalho no ministério da Justiça e da Segurança Pública. O ex-magistrado federal já havia comunicado que contaria com membros integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato. Um dos projetos aventados pelo futuro ministro é criar no mesmo modelo da operação implementada em Curitiba, com forças-tarefa destinadas para assuntos considerados prioritários. Além dos nomes supracitados para a equipe ministerial de Sergio Moro estão nomes como Flávia Blanco, que será chefe de gabinete do Ministério, além do ex-chefe de comunicação da Superintendência da Polícia Federal no Paraná, Marcos Koren.

Entretanto, um dos nomes mais aguardados para serem anunciados pelo futuro ministro como um dos mais cotados, trata-se do futuro diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. Atualmente, ele é chefe da Polícia Federal no Paraná e provavelmente, substituirá o atual diretor-geral da Polícia Federal no Brasil, Rogério Galloro.