A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por unanimidade, que o processo conhecido como "quadrilhão do PT" deve ficar na Justiça Federal do Distrito Federal. A princípio, foi negado tanto o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) quanto da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os advogados do petista queriam que o processo fosse analisado no STF, e Raquel Dodge, em Curitiba.

Publicidade
Publicidade

O ministro Edson Fachin levou o caso para julgamento da Segunda Turma e todos os ministros decidiram apoiar a decisão dele de dividir o processo, enviando parte para o Distrito Federal.

A defesa de Lula alegou que esse processo não poderia ir para Curitiba, já que, segundo ela, não possui fatos diretos com a Petrobras e, portanto, não poderia estar nas investigações da força-tarefa do Paraná. Dodge já queria o contrário. Segundo ela, já existe uma investigação em curso no Paraná e isso ajudaria no decorrer do inquérito.

Publicidade

Denúncia

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, na época, entrou com uma acusação grave contra o Partido dos Trabalhadores (PT). Segundo a denúncia, o núcleo do PT, formado pelos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff e mais seis pessoas, teria desviado dos cofres públicos valores bilionários. Tudo isso através de um suposto esquema corrupto que envolvia a Petrobras e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Lula

Além de Lula e Dilma, estariam envolvidos nessas irregularidades a senadora Gleisi Hoffmann e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega.

Gleisi e seu marido tiveram seu processo mantido no Supremo por determinação de Fachin, já que ela possui foro privilegiado. Os demais foram encaminhados para a Justiça Federal de Brasília.

De acordo com a denúncia protocolada por Janot, a cúpula do PT recebeu R$ 1,48 bilhão entre os anos de 2002, quando Lula venceu a primeira eleição presidencial, e 2016, quando Dilma foi afastada do poder em decorrência do impeachment.

PGR aponta Lula líder da organização criminosa

Rodrigo Janot afirmou na denúncia que o ex-presidente Lula era o líder da organização criminosa e sugeriu que ele tivesse uma pena maior do que todos os outros.

Publicidade

De acordo com o ex-procurador-geral, até mesmo depois de deixar a Presidência, Lula teve grande influência no governo de Dilma.

A defesa do petista alegou que não existe nenhum fundamento na denúncia de Janot e disse que o ex-presidente sofre perseguição Política.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo