O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, manifestou-se contundentemente nesta quarta-feira (14) em relação ao papel desempenhado por ONGs que atuam na região amazônica do Brasil. As afirmações foram dadas durante entrevista coletiva em Porto Alegre (RS).

Villas Bôas extenua críticas às entidades norueguesas na Amazônia

Na ocasião, o general Eduardo Villas Bôas havia sido questionado sobre críticas feitas pelo futuro ministro da Casa Civil no Governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que se posicionou contra a atuação de ONGs na Amazônia, principalmente, em relação ao papel de entidades norueguesas no local, apoiadas pelo governo daquele país.

Publicidade
Publicidade

"Ninguém tem autoridade moral, principalmente um pais que tem 0,3% da suas florestas preservadas, não tem autoridade moral para dar pito no Brasil e tentar interferir em assuntos internos nossos", declarou o general durante a coletiva de imprensa.

O militar se referia a uma situação de verdadeira "saia justa" enfrentada pelo presidente da República, Michel Temer. Durante visita do mandatário brasileiro à Noruega, no ano passado, o governo daquele país havia criticado abertamente a atuação do Brasil no combate ao desmatamento, especialmente na região amazônica.

Publicidade

As críticas do governo norueguês ocasionaram um corte de investimentos e repasses ao Fundo Amazônia, na ordem de 50% do total. Vale ressaltar que o governo da Noruega é o principal patrocinador desse respectivo fundo de combate ao desmatamento no Brasil.

O general Villas Bôas comentou a respeito do corte de repasses ao Fundo Amazônia, ao considerar que "por terem doado ao fundo, eles (governo da Noruega) se acham no direito de interferir nos assuntos internos do Brasil".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Antes da entrevista, o chefe do Exército havia falado por aproximadamente uma hora e meia para um contingente de 150 militares da reserva, na sede do Comando Militar do Sul. Villas Bôas argumentou sobre a importância inerente à reserva para que seja mantida a coesão do Exército brasileiro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo