Foi anunciado na manhã desta terça-feira (20) um novo nome no Governo de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

O capitão da reserva manteve o ministro da CGU (Controladoria-Geral da União). Com a escolha de Bolsonaro, Wagner Rosário, que é o atual ministro da Transparência e da CGU, deve permanecer no cargo. Segundo informações, a confirmação ocorreu logo após o desembarque de Bolsonaro no Distrito Federal, onde ele foi cumprir a semana de reuniões com sua equipe de transição.

Publicidade
Publicidade

Com a decisão de Bolsonaro, Wagner Rosário passa a ser o primeiro dos ministros do governo anterior de Michel Temer a ser mantido no governo Bolsonaro.

A importância da CGU no novo governo

Embora não seja por si só um ministério, a Controladoria-Geral da União, que foi criada em 2003, tem status de ministério.

A organização visa responder por ações de controle interno do governo e serve tanto para prevenir quanto para combater a corrupção. Além de também incentivar a transparência na gestão e defender o patrimônio público.

Wagner Rosário agradece indicação

No Twitter, o então ministro da Controladoria-Geral da União retuitou o comunicado de Bolsonaro e agradeceu ao presidente eleito pela indicação. Ele também afirmou que eles irão trabalhar firmes em defesa do patrimônio público e no combate à corrupção.

Publicidade

Quem é Wagner Rosário

Nascido no município de Juiz de Fora, em Minas Gerais, Wagner Rosário audita Finanças e Controle desde 2009. Trabalhou também como oficial do Exército.

Ele é graduado em Ciências Militares pela Aman (Academia Militar das Agulhas Negras), tendo também um mestrado em Combate à Corrupção e Estado de Direito pela Universidade de Salamanca, na Espanha.

O ministro também já escreveu trabalhos acadêmicos. Um deles trata de operações conjuntas no Brasil e na Espanha contra a corrupção, este em particular foi publicado no ano de 2016.

Segundo fontes, consta no site da Controladoria-Geral da União que Wagner Rosário foi o primeiro servidor de carreira tomar posse como secretário-executivo e ministro da pasta.

No período de junho de 2017 a junho de 2018, o ministro foi substituto no governo Temer, sendo efetivado posteriormente pelo mesmo.

Publicidade

Na época, a medida de substituição foi uma solução técnica para o ministério da Transparência.

Contando com Wagner Rosário, já são nove ministros anunciados oficialmente pelo novo governo.

Leia tudo