Wilson Witzel, o governador eleito pelo PSC para o Estado do Rio de Janeiro, rapidamente tem se tornado uma personalidade recorrente na mídia ao longo dos últimos dias, pois, segundo declaração dele próprio, irá trabalhar para que atiradores de elite, tanto da policial militar, quanto civil, abatam criminosos com fuzil.

Mas as intenções de Witzel de promover a paz e segurança junto aos cidadãos fluminenses não param por aí.

Tanto é assim que ele e o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL), filho do novo presidente da República Jair Bolsonaro, irão viajar juntos para a Israel.

Motivo da viagem a Israel

A programação da viagem já é um fato, mesmo que não tenha data definitiva para acontecer. Entretanto, um dos objetivos básicos de ambos voarem ao estado judeu é para que possam conhecer um modelo específico de drone, o qual vem acoplado com uma arma de alta precisão, disparando ao sobrevoar uma área qualquer.

Atualmente, tal tipo de equipamento bélico é controlado pelas forças israelenses, mais especificamente junto aos territórios de fronteira dos palestinos. Todavia, tanto Witzel quanto Flávio Bolsonaro, querem trazer algumas unidades para aumentar a segurança do Rio.

Outro aparelho que os dois políticos querem saber um pouco mais é sobre o de leitura facial, cuja intenção é de que possa ser instalado nos transportes públicos em todo o estado do Rio.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Jair Bolsonaro

Snipers ou atiradores de elite para defender o Rio

Após as eleições, acabou ocorrendo o primeiro encontro oficial entre Wilson e Bolsonaro na última quarta-feira (31 de outubro), quando o governador a ser empossado em janeiro do ano que vem recebeu de Flávio o incentivo à sua proposta para que os criminosos sejam abatidos por agentes especializados de segurança se estiverem carregando armas como, por exemplo, fuzis.

Foi no mês de setembro de 2009 em que o último "abate" foi praticado no Rio, pois naquela data um bandido foi morto na Tijuca, bairro da Zona Norte da cidade, depois que tinha tomado uma mulher como refém em uma farmácia.

O suspeito tinha roubado um automóvel e quando se evadia, acabou entrando no estabelecimento comercial, fazendo da dona do mesmo o seu escudo e ameaçando a mulher com uma granada.

O final do confronto é que o homem foi morto por um tiro certeiro de fuzil, disparado do alto de um prédio, por um oficial da PM, lotado no Bope (Polícia de elite carioca) e que também era um sniper.

Pedido especial de Flávio Bolsonaro a Witzel

O senador eleito não perdeu a oportunidade do encontro com Wilson e reforçou o seu pedido a ele para que não colaborar a fim de que o PT ocupe qualquer posto ou espaço no governo do Rio de Janeiro.

Witzel deve muito provavelmente atender ao seu importante aliado, a quem inclusive deve seu mandato, tanto é que não tende a ficar neutro frente à eleição do presidente da Assembleia Legislativa do Rio, ou seja, terá de ir contra a André Ceciliano, representante do PT.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo