A deputada federal eleita pelo PSL Joice Hasselmann é uma das principais aliadas do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Ela pretende, inclusive, ser líder do Governo na câmara. Ela divulgou um vídeo nas redes sociais desafiando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, a mandar prendê-la, conforme ele fez com um advogado num voo de São Paulo a Brasília. O advogado criticou os ministros e disse que o STF era uma vergonha.

Joice disse que o ministro se comportou como um "ditadorzinho" ao chamar agentes da PF.

Segundo as imagens gravadas, Joice Hasselmann reafirma o que o advogado falou e diz que o STF é sim uma vergonha. "Vai me mandar prender também Lewandowski? Tô pagando pra ver", declarou irritada.

De acordo com a deputada eleita, o Supremo tem agido de uma forma vergonhosa com suas decisões. Ela disse que os ministros cospem no rosto dos cidadãos.

Embora, haja exceções, ela afirma que Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, com certeza, estão fora dessas exceções.

Além de Joice, o deputado eleito Alexandre Frota também criticou o Supremo e desafiou para que eles o mandassem prender também. Segundo Frota, os ministros da Corte só agem em prol dos corruptos e o Brasil não aguenta mais isso.

Confusões no voo

Todas essas críticas surgiram após uma confusão num voo em que estava o ministro Lewandowski.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

O advogado Cristiano Caiado de Acioli se manifestou contra o STF dizendo que a Corte era uma vergonha. O magistrado do Supremo então perguntou se o advogado queria ser preso e chamou um agente da PF.

O advogado ficou revoltado com tudo isso e disse que apenas exerceu o seu direito de se manifestar. O fato repercutiu pela internet.

Apuração do caso

O presidente do Supremo, Dias Toffoli, pediu para a PF e a Procuradoria-Geral da República apurarem o caso do advogado que abordou Lewandowski.

Para Toffoli, o seu companheiro de tribunal foi ofendido e medidas devem ser tomadas contra isso. Ele enviou um ofício para Raquel Dodge e para o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.

Em nota, o gabinete do presidente da Corte afirmou que Lewandowski se sentiu no dever de proteger a instituição a que pertence, acionando a PF para evitar atos ilícitos.

Acioli foi levado para a Superintendência Federal de Brasília para prestar esclarecimentos.

Segundo o advogado, ele tratou o ministro com o pronome adequado e não faltou com respeito. "Fiz uma manifestação, é uma essência da Constituição".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo