O ex-prefeito de São Paulo e também candidato derrotado nas eleições presidenciais deste ano, Fernando Haddad, poderá perder a facilidade com a qual visita Lula na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O petista está preso desde o último dia 7 de abril devido à condenação nas investigações da Operação Lava Jato.

O procurador regional Januário Paludo, integrante da força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) na Lava Jato, avaliou que Haddad deveria visitar Lula apenas como amigo do ex-presidente, não mais como seu advogado.

Na época das eleições presidenciais, costumeiramente Haddad fazia visitas a Lula e também era apontado como um dos membros da defesa do petista. Com o posicionamento do procurador, Haddad e Lula só poderiam se encontrar às quintas-feiras.

O portal UOL disse que a assessoria de Haddad foi procurada para comentar o caso, porém resolveram não se manifestar.

No mês de julho, Haddad foi incluído na lista de advogados do petista. Haddad foi apontado como defensor de Lula com "plenos e gerais poderes". O ex-presidente também via-se como um pré-candidato as eleições presidenciais.

Entretanto, Haddad já era sinalizado como a alternativa de Lula caso a candidatura fosse barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), algo que ocorreu em agosto.

A juíza Caroline Lebbos recebeu manifestação da defesa de que Haddad deveria continuar como advogado de Lula mesmo após o término das eleições presidenciais. Entretanto, a Lava Jato tem outro posicionamento, e entende que Haddad não poderia visitar mais Lula. Quando era advogado do petista, as visitas não eram consideradas sociais. Então, a Lava Jato aponta que agora, as visitas devem ser sociais.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lava Jato Lula

Durante as eleições

No segundo turno presidencial, Haddad fez apenas uma visita. O objetivo era focar ao máximo no processo do segundo turno na corrida contra Jair Bolsonaro. Entretanto, após o resultado eleitoral, Haddad continua visitando Lula, mas com menor frequência. O ex-prefeito já chegou a dizer que Lula não estaria bem na prisão.

Entrevistas

A Lava Jato também se posicionou contra entrevistas de Lula, independente se fossem realizadas em áudio ou vídeo. O ministro Luiz Fux, em setembro, evidenciou que, devido à condenação ele não poderia conceder entrevistas para a imprensa, caso contrário isso iria se tratar de crime de desobediência.

O procurador Paludo acredita que caso ocorra entrevistas com Lula, isso iria tirar seus benefícios de dentro da prisão.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo