O Ministério Público Federal (MPF) apresentou na noite desta última terça-feira, 11 de dezembro, as alegações finais sobre o processo do sítio de Atibaia, envolvendo o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. O MPF pediu a condenação de Lula pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. A ação da Justiça julga reformas no sítio que era frequentado pelo petista e sua família.

A denúncia apontou que as obras da reforma foram pagas pelo empresário José Carlos Bumlai. Os recursos destinados à obra teriam sido desviados de contratos da Petrobras. Segundo parecer dos procuradores, Lula "capitaneou o esquema criminoso". Ainda é dito que o ex-presidente agiu de foma consciente e voluntário e dissimulou a origem dos valores investidos nas reformas do sítio, localizado no interior de São Paulo.

Laudo da Polícia Federal apontou que foram gastos cerca de R$ 1,26 milhão. No entanto, Lula nega todas as acusações e aponta que está sendo perseguido politicamente pelas investigações da Operação Lava Jato. O petista está preso desde o dia 7 de abril devido processo envolvendo um tríplex em Guarujá.

Procuradoria

A procuradoria foca que Lula e a falecida ex-primeira dama, Marisa Letícia, posicionavam-se como os verdadeiros donos do sítio.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula PT

O MP afirmou que "não é crível" as afirmações de Lula sobre não ter conhecimento das reformas. Lula atribuiu a Marisa Letícia as reformas do sítio, no entanto, Marisa morreu em fevereiro do ano passado devido um AVC. Lula diz que é "analfabeto" em relação a reformas.

O Ministério Público acredita que Marisa Letícia atuou em nome dela e de Lula, tendo total domínio em relação a reforma e questiona o "incrível silêncio" entre o casal.

Os documentos que envolvem o processo são notas fiscais, depoimentos de testemunhas e comprovantes de reuniões envolvendo Bumlai, Lula, e executivos da empreiteira Odebrecht. Outro ponto levantado pelos procuradores é de que havia um "jogo de empurra" entre Lula e Bumlai, com o objetivo de "esconder o jogo", criando uma verdade fictícia em relação ao sítio.

A defesa diz que não há nenhuma prova que condene Lula na ação penal.

Pois, segundo o advogado Cristiano Zanin, não teria vinculação de contratos da Petrobras com o sítio em Atibaia. Zanin também enfatizou que a base construtiva do processo pelo MPF se baseou em "narrativas de delatores que receberam generosos benefícios em acordos de delação".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo