O presidente eleito, Jair Bolsonaro [VIDEO] [VIDEO], segue montando a equipe do próximo governo, que está em fase de transição e assume definitivamente no dia 1º de janeiro de 2019. Nesta quinta-feira (6), Bolsonaro definiu o nome da ministra que ocupará o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos.

Trata-se da advogada e pastora evangélica Damares Alves [VIDEO] [VIDEO]. Ela atuou por muitos anos como assessora de gabinete do senador Magno Malta (PR-ES).

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Jair Bolsonaro

Damares Alves já falou como ministra escolhida e afirmou que a prioridade do governo será a mulher ribeirinha, pescadora, catadora de siri e quebradora de coco.

Segundo a ministra, essas mulheres estão anônimas e invisíveis.

Ela também revelou que a infância será prioridade no governo que se inicia. Com o anúncio feito por Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil, nesta quarta, 21 dos 22 ministros do time de Bolsonaro estão confirmados.

A única pasta que segue sem um nome definido é a do Meio Ambiente.

O currículo de Damares Alves é extenso. Além de pastora e advogada, ela atuou como assessora jurídica da Frente Parlamentar Evangélica e foi secretaria nacional do Movimento Brasil Sem Aborto. Atua também como assessoria jurídica da Frente Parlamentar da Família e Apoio à Vida, movimento liderado pelo senador Magno Malta.

Damares Alves também atua na luta contra a violência contra crianças indígenas e foi co-fundadora do ATINI - Voz Pela Vida. Por fim, é Diretora de assuntos parlamentares na Associação Nacional dos Juristas Evangélicos (Anajure).

O vasto currículo fez com que ela fosse vista como o nome ideal para ocupar a pasta criada pelo governo Bolsonaro.

Ministérios de Bolsonaro

Até o momento, Bolsonaro confirmou 21 ministros. Onyx Lorenzoni estará à frente da Casa Civil. Paulo Guedes, que acompanha Bolsonaro desde a campanha, atuará na Economia. Sergio Moro será ministro da Justiça e Segurança Pública.

Tereza Cristina será a responsável pela pasta de Agricultura. O astronauta Marcos Pontes foi indicado para Ciência e Tecnologia. O General Augusto Heleno é o responsável para o Gabinete de Segurança Institucional. General Fernando Azevedo e Silva atuará no Ministério da Defesa.

Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), Luiz Henrique Mandetta (Saúde), André Luiz de Almeida Mendonça (Advocacia-Geral da União), Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência da República) e Ricardo Vélez Rodríguez (Educação) são outros nomes.

Não param por aí, ocuparão pastas também o General Carlos Alberto Cruz (Secretaria de Governo), Tarcísio Gomes da Costa (Infraestrutura), Gustavo Henrique Rigodanzo Canuto (Desenvolvimento Regional), Osmar Terra (Cidadania), Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Almirante Bento Costa Lima (Minas e Energia).