Nesta quinta-feira, 13 de dezembro, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão no Rio de Janeiro. Segundo nota da PF, o objetivo foi investigar o autor de publicações com ameaças a Jair Bolsonaro que foram divulgadas através de redes sociais.

A polícia enfatizou que o homem investigado teria feito publicações que incitaram a morte do presidente eleito. A PF investiga na região do Maracanã, Rio de Janeiro.

O próprio político compartilhou nesta última quarta-feira um vídeo de um rapaz de 23 anos fazendo ameaças contra ele.

Publicidade
Publicidade

No vídeo, o homem estava armado. Bolsonaro enfatizou na sua publicação, através da rede social Twitter, que queria ações públicas. Com isso, disse que seria para defender o "cidadão do bem".

Bolsonaro sinalizou que a população brasileira sofre, todos os dias, ameaças, e por conta disso, caberia ao Executivo, Judiciário e parlamentares agirem em prol na defesa dos cidadãos. Bolsonaro cita a criação de dispositivos para retaguarda jurídica dos Agentes de Segurança Pública.

Publicidade

Veja a publicação na página oficial do presidente eleito:

Mandado de busca e apreensão

Segundo informações do portal UOL, não ficou claro se o mandado de busca e apreensão da Polícia Federal teria relação com o homem que aparece no vídeo fazendo ameaças ao político.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Jair Bolsonaro já declarou outras ameaças que vem sofrendo. Com a repercussão dos casos, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen chegou a pedir cautela durante a cerimônia de posse de Bolsonaro, que será realizada no próximo dia 1°.

A Polícia Federal enfatizou que o alvo de investigações nesta quinta-feira insultou Bolsonaro e também o futuro vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão. A pena para este tipo de crime varia entre 1 a 4 anos de reclusão.

Neste ano, o futuro ministro do GSI, General Augusto Heleno, chegou a dizer que Bolsonaro está sendo alvo de uma "ameaça terrorista". Na ocasião, as falas sobre o possível atentado justificaram o fato de Bolsonaro não comparecer a debates políticos do segundo turno presidencial. Augusto Heleno chegou a alertar que Bolsonaro corre risco de morte toda vez que sai de casa.

O presidente eleito foi vítima de um ataque a facadas provocado pelo ex-militante do PSOL, Adélio Bispo.

Publicidade

Desde então, Bolsonaro se submeteu a cirurgias e ainda está em recuperação devido a gravidade da lesão.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo