Com o intuito de se fazer uma frente supra-partidária no Senado da República que seja contrária às pretensões do ex-presidente da Casa Renan Calheiros em tentar se figurar como um dos principais nomes para assumir a Presidência da Casa, um grupo de parlamentares, especialmente do Senado, já atua nos bastidores para "frear" a movimentação do senador alagoano do MDB. Há uma tentativa explícita de se tentar quebrar a hegemonia do MDB, em relação à trajetória da sigla partidária que permaneceu durante muito tempo na condução do Senado Federal e também da Câmara dos Deputados.

Articulações de siglas apontam para candidatura tucana no Senado

As articulações no Senado da República, com vistas à próxima legislatura, em se tratando do novo parlamento que se firmará durante a gestão do presidente eleito do país, Jair Messias Bolsonaro, continuam a todo vapor. Um grupo de senadores eleitos pelos partidos: PSDB, PDT, PPS, Rede e também de setores do PSL (partido do presidente eleito da República), se mobilizam para tentar impedir que o senador reeleito Renan Calheiros seja bem sucedido em suas tentativas de se firmar para a futura Presidência do Senado e do Congresso Nacional.

Esse grupo de senadores das siglas partidárias supracitadas, pretendem apoiar um nome moderado para a Presidência da Casa, tornando o senador tucano Tasso Jereissati (PSDB-CE) um dos mais fortes cotados para assumir a cadeira presidencial do Senado da República. Vale ressaltar que o nome do senador tucano conta com a simpatia do irmão do ex-presidenciável Ciro Gomes (PDT-CE), Cid Gomes. O apoio a Tasso Jereissati também é verificado no bloco de partidos PPS, PDT e Rede, que possuem juntos 14 senadores eleitos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Cid Gomes foi taxativo, ao se referir ao nome de Tasso Jereissati, já que segundo o futuro senador, "Tasso seria um nome excelente e teria o perfil adequado, já que uma das grandes preocupações se trataria de ter alguém respeitável, que pudesse elevar o nome do Senado Federal, porém, não se pode ter um só nome, já que o objetivo seria compor a maioria, e para isso, seria necessário abrir as portas", de acordo com o ex-governador cearense.

Outro aspecto que pode contribuir favoravelmente às pretensões do senador Tasso Jereissati, do PSDB do Ceará, é que a bancada de seu partido conta com oito senadores e deverá receber mais uma parlamentar, Maísa Gomez, do estado do Acre. a futura senadora apoia Tasso e com essa movimentação, o provável postulante tucano à Presidência do Senado já poderia estar largando com 23 votos em prol de sua candidatura.

Já em relação ao presidente eleito da República, Jair Bolsonaro, o mesmo pretende não adentrar na disputa dos partidos pelo comando do Senado. entretanto, tanto o presidente eleito, quando seu partido, rejeitam o nome de Renan Calheiros.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo