Nesta sexta-feira (11), foi o evento de despedida do general Eduardo Villas Bôas, que está deixando o comando do Exército. O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, fez um discurso de agradecimento a Villas Bôas e disse que "a maior entrega deste comandante é o que ele conseguiu evitar".

Azevedo e Silva foi o último a discursar no evento. Ele elogiou a capacidade de Villas Bôas de conter ímpetos democráticos entre os militares.

De acordo com Azevedo, muitos momentos caóticos tomaram conta do país e a postura do ex-comandante foi essencial para evitar um possível caos.

Vale ressaltar que Villas Bôas foi contra a intenção da ex-presidente Dilma Rousseff que queria decretar estado de emergência para evitar que o Congresso votasse o seu impeachment. Outro ponto polêmico lembrado sobre o ex-comandante, foram as suas manifestações no Twitter contra uma possível candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na eleição de 2018, mesmo sem citar o nome do petista.

Villas Bôas chegou a dizer que os militares não concordariam em ter um chefe supremo que esteja envolvido em atos de corrupção. Muita gente viu como um recado a Lula.

O Supremo Tribunal Federal (STF) também esteve sob a mira do general. No ano passado, às vésperas do julgamento de Lula na Corte, ele ressaltou que o Exército repudia a impunidade. Muitos viram como uma pressão ao STF para evitar o habeas corpus a Lula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Villas Bôas também amenizou discursos do ano passado em que o vice de Jair Bolsonaro, general Antonio Hamilton Mourão, falava em intervenção militar como alternativa caso o país entrasse num caos. O ex-comandante demonstrou tranquilidade e disse que a intervenção não era algo cogitado dentro das casernas. Além disso, enfatizou que as Forças Armadas têm o objetivo de não se envolver na política, permanecendo sempre como uma instituição independente.

Doença grave

Villas Bôas convive com uma doença rara e que impossibilita a sua locomoção. No evento, ele estava bem emocionado e chegou a ser abraçado pelo presidente Bolsonaro. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, também cumprimentou o general após o encerramento da cerimônia.

Em decorrência de sua doença degenerativa, Villas Bôas pediu para que o Mestre de Cerimônias lesse o seu pronunciamento.

Agradecimentos

Villas Bôas agradeceu a Dilma Rousseff e a Michel Temer por tê-lo mantido no cargo e enalteceu um Exército democrático, apartidário e dedicado exclusivamente ao povo brasileiro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo