Wilson Witzel, de 50 anos de idade, foi um dos governadores mais votados do Brasil, eleito no segundo turno com 4.675.355 votos. O ex-juiz federal desbancou seu oponente, o ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes.

Defendendo suas ideias e pregando sempre a favor da justiça e da família, o governador, que é casado com Helena Witzel e pai de quatro filhos, tornou-se assunto após seu primogênito, Erick Witzel, revelar publicamente por meio das redes sociais ter conseguido um vaga no SUS para se submeter a um tratamento [VIDEO] hormonal.

Publicidade
Publicidade

Filho do governador do Rio de Janeiro comemora vaga no SUS

Registrado como Erika Witzel, o primogênito de Wilson, que desde que se assumiu transexual atende por Erick, encontra-se com 24 anos de idade e atua como cozinheiro em um restaurante da capital carioca.

Sem condições para dar continuidade ao tratamento hormonal que iniciou em uma clínica particular, Erick se cadastrou no SUS (Sistema Único de Saúde) pleiteando uma vaga e comemorou a conquista da mesma, contando um pouco de sua trajetória por meio de seu perfil oficial no Instagram.

Erick Witzel celebra conquista de vaga para tratamento hormonal no SUS

Adepto das redes sociais, o filho mais velho do governador Witzel usou a web na nesta última quarta-feira (2) para comemorar a conquista de uma vaga no SUS.

Contando com pouco mais de oito mil seguidores no Instagram, Erick, festejou sua conquista declarando virtualmente: "Finalmente saiu minha vaga para acompanhamento hormonal no Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia (IEDE)".

Feliz, o jovem ainda revelou já ter conseguido agendar sua primeira consulta com os especialistas que o acompanharão no tratamento.

Publicidade

Erick explica o motivo de ter buscado ajuda no sistema público

Visivelmente entusiasmado com sua conquista, Erick contou aos internautas que o acompanham como foi o trajeto até conseguir a vaga para se tratar no SUS.

De acordo com Witzel, ele teria iniciado um tratamento hormonal com um endocrinologista particular, pois o mesmo não conta com um plano de saúde. Revelando que as consultas e o tratamento eram muito caros, ele relatou que só conseguiu arcar com quatro consultas, precisando abandonar o procedimento por conta do alto preço.

Disposto a dar continuidade ao tratamento hormonal, Erick se dirigiu a uma as unidade da Clínica da Família e realizou seu cadastro no SUS, solicitando acompanhamento para o IEDE (Instituto Estadual de diabetes e Endocrinologia) no Rio de Janeiro. Logo em seguida ele foi inserido no SISREG (Sistema de Centrais de Regulação) e depois de um ano na fila, ele conseguiu agendar sua primeira consulta.

Leia tudo