Morreu na madrugada desta quarta-feira (10), vitimado por um infarto fulminante, o jornalista Paulo Henrique Amorim, de 77 anos, no Rio de Janeiro. Até o mês passado ele era um dos apresentadores do semanal "Domingo Espetacular", da Record TV, mas havia sido afastado há poucas semanas. Ele também trabalhou na Rede Manchete, Rede Globo e TV Bandeirantes. Amorim deixa uma filha e a mulher, a jornalista Geórgia Pinheiro.

Conhecido por seu temperamento forte, sua carreira também foi cercada por polêmicas e processos na Justiça, movidos até mesmo por colegas de profissão.

Em 2013 foi condenado por racismo contra o jornalista Heraldo Pereira. Em uma postagem em seu blog, ele havia chamado o repórter da Rede Globo de "negro de alma branca". Em outro processo, foi condenado a pagar ao jornalista Merval Pereira a quantia de 30 salários mínimos.

'Olá, tudo bem?'

Apesar de ser bastante conhecido na Televisão, Paulo Henrique Amorim começou sua carreira no jornal, sendo o primeiro deles, no periódico A Noite, em 1961. Posteriormente passou a ser correspondente em Nova York para a revista Realidade e depois para a semanal Veja.

Ainda como correspondente internacional passou pela extinta TV Manchete e pela Globo, onde ficou até 1996 quando se transferiu para a Bandeirantes e de lá foi para a TV Cultura. Em 2003 passou a fazer parte do time da Record, onde ajudou na criação do programa "Tudo A Ver", apresentou o "Jornal da Record" e o "Domingo Espetacular", do qual acabou sendo afastado no mês passado. Na ocasião, a emissora divulgou que o profissional seria aproveitado em projetos futuros da casa.

Em 1972, com a reportagem “A Renda dos Brasileiros”, escrita para a revista Veja, ganhou o Prêmio Esso de jornalismo, na categoria informação econômica. Foi na televisão que também lançou um bordão que tornou uma marca registrada: "olá, tudo bem?".

Colegas de Amorim na Record lamentam morte

Tendo trabalhado com Paulo Henrique Amorim nos últimos dez anos, o jornalista Michael Keller lamentou a morte do colega.

Em entrevista ao programa "SP No Ar", da Record TV, ele disse que Amorim era contraditório e que teve discussões com ele em situações profissionais e políticas. "Nessa hora só procuramos exaltar o profissional e a pessoa que ele foi", disse.

Tendo dividido com ele a apresentação do programa "Tudo A Ver", a apresentadora e modelo Ana Hickmann também se se manifestou sobre a morte do jornalista. "Acabei de chegar na emissora e recebi essa notícia", disse Ana.

Siga as suas paixões.
Fique atualizado.

"Tenho que confessar que ainda estou extremamente chocada", seguiu. Ela lembrou ainda que foi através dele que conseguiu ingressar na televisão.

Não perca a nossa página no Facebook!