De acordo com o colunista Jamil Chade do UOL, o Governo brasileiro está dando mostras que irá endurecer o discurso na ONU sobre minorias, privilegiando o que chama de direitos da família. Esta é uma tentativa de mudar os rumos das discussões sobre gênero e educação sexual nas reuniões da Organização.

Para o colunista, o Brasil com um discurso duro em relação aos direitos das minorias, se posiciona de maneira conservadora, abandonando o discurso conciliador e moderado que vem apresentando, desde os anos 90.

O Brasil, que sempre foi uma voz que se erguia em benefício dos direitos de classes marginalizadas, agora, prefere adotar uma postura mais austera, aproximando-se da linha de países sauditas.

Mudança de discurso do Brasil

Ainda segundo o colunista Jamil Chade, muitos integrantes da ONU veem essa mudança como um risco aos grupos protegidos por medidas e leis criadas com base na igualdade e proteção dos direitos.

Acreditam ser um lobby de nações conservadoras, preparando um ataque direto a ideias progressistas. As mulheres e LGBTs são os grupos mais afetados com a mudança da fala do Brasil.

A ministra Damares Alves aproveitou sua participação, em Budapeste, num evento sobre "demografia", para lançar as ideias conservadoras. Esse evento foi organizado por Viktor Orbán. Orbán é o líder conservador da Hungria. Sua intenção é formar um grupo de países que ajam como "amigos da família", defendendo o que eles acreditam serem as bases da família tradicional.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Relacionamento

"Uma nação pró-família e pró-vida"

Seundo o colunista do UOL, para Damares, a família precisa ser protegida das investidas progressistas. Ela acredita que querem desestabilizar as bases familiares, expondo seus membros a ideias que vão contra valores familiares.

Ela disse, ainda, que o Brasil está nas mãos de "um homem incrível que quer trazer o Brasil ao mundo como um país pró-família e pró-vida".

Fazendo clara alusão a Jair Bolsonaro.

Segundo o colunista, a ministra de Direitos Humanos disse que o Brasil dará um "sonoro não" às questões sobre gênero, que ela e o governo acreditam serem a chave de grandes problemas sociais. Segundo sua fala, Bolsonaro, ao ser eleito com uma base conservadora, foi chancelado pelos eleitores para agir no combate a ideologia de gênero. Países como Hungria, República Tcheca e Polônia são potenciais aliados, podendo seguir a onda conservadora que tenta se erguer na Europa.

Fim do protagonismo progressista brasileiro

Para o colunista Jamil Chade, o governo vem mostrando essa nova linha de pensamento, bem mais dura em relação a gênero e minorias, já há algum tempo. O Itamaraty já não menciona essas questões em seus documentos oficiais, tendo, também, colocado sob segredo alguns documentos que falam sobre as novas políticas quanto a assuntos sensíveis. Com alguns posicionamentos obscuros, a diplomacia brasileira se aproxima, e agrada, países ultraconservadores do Oriente Médio, barrando questões importantes como educação sexual.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo