Tudo a respeito de Paulo Coelho demonstra a sua grandiosidade, desde o quadro assinado por Andy Warhol que decora o banheiro de visitas, até o elevador de vidro que conecta sua sala de estar ao terraço enorme de sua casa sob os Alpes suíços. Além de tudo isso, o escritor ainda tem em seu currículo mais de 325 milhões de livros vendidos e um bilhão de leitores, distribuídos em 150 países, sem esquecer do recorde de escritor vivo mais traduzido do mundo e seus 50 milhões de seguidores nas redes sociais.

O escritor, que admitiu ter sido torturado durante três meses em 1974, durante a ditadura militar, agora abre críticas ao atual governo brasileiro. Recentemente, o escritor deu diversas declarações a respeito do futuro do Brasil e sua visão de para onde o país está caminhando com este governo atual.

Em seu apartamento em Genebra, Paulo Coelho concedeu recentemente uma entrevista à BBC News Brasil e disse que agora está cumprindo um compromisso histórico, além de falar a respeito do que ele acha sobre o atual presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

Sobre o compromisso histórico citado, o escritor explica que se trata do fato de não ficar calado diante da situação e que se sente na obrigação de falar. Ele ainda ressaltou que sabe que possivelmente irá perder leitores por esta atitude, mas que não vai ficar contabilizando a respeito disso. "Vou perder leitores", garantiu, mas reforçou o compromisso histórico de criticar o governo.

A respeito das obras

Em algumas obras do escritor, como "Hippie", de 2018, e "O Aleph", de 2010, ele já fazia uma alerta a respeito do quanto o passado pode acabar destruindo o presente.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Jair Bolsonaro

Durante a entrevista ele ainda resolveu ressaltar a respeito dos meses em que foi espancado por agentes da ditadura, teve suas genitais presas a eletrodos e foi trancafiado nu, utilizando um capuz, em uma sala gelada.

Durante mais de uma hora de conversa, o escritor ainda falou a respeito de outros aspetos, como o seu rompimento com o PT e também a respeito de sua desilusão com o comunismo, que ele classificou como sendo cinza e triste. Coelho ainda relatou a respeito da experiência que viveu em seu caminho por Santiago de Compostela, revelando que o mais importante é a jornada, e que isso também vale para a política, assim como para a religião.

A respeito de seus críticos, Paulo Coelho ainda declarou que sobreviveu a todos eles.

Além disso, o escritor também aproveitou o momento onde deu a sua opinião a respeito de algumas figuras públicas, como o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, o papa Francisco, o guru bolsonarista Olavo de Carvalho e também sobre o youtuber Felipe Neto, ao qual o escritor recentemente declarou o seu apoio e ainda ofereceu ajuda caso ele precisasse para garantir sua segurança.

Coelho ainda falou durante sua entrevista a respeito do pintor brasileiro Romero Britto.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo