O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), concluiu nesta quarta-feira (23) a votação dos destaques à Proposta de Emenda à Constituição (PEC 6/2019) da reforma da Previdência. O senador Paulo Paim (PT-RS) teve rejeitado por unanimidade o termo "enquadramento por periculosidade", do destaque propondo aposentadoria especial para o trabalhador em atividade com exposição a agentes nocivos químicos, físicos e biológicos.

Com isso, o documento segue para promulgação no Congresso Nacional, até o dia 19 de novembro. Essa etapa deverá ocorrer em sessão especial com as presenças dos presidentes, da República, Jair Bolsonaro (PSL) e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O texto principal da Reforma da Previdência Social foi aprovado nesta terça-feira (22), com 60 votos a favor e 19 votos contrários. Segundo Alcolumbre, esta votação é histórica, já que seriam necessários apenas 49 votos para a aprovação do documento em questão.

A PEC 6/2019 é uma proposta de iniciativa do presidente Bolsonaro, que com o ministro da economia, Paulo Guedes, e o documento original, estimava economizar R$ 1 trilhão nos próximos dez anos. Porém, modificações sofridas pelas propostas ao longo de sua tramitação junto aos parlamentares reduziram a expectativa do Governo ao patamar de R$ 800 bilhões. Também, será ainda, objeto de estudo, a PEC 133/2019, inserindo estados e municípios neste novo modelo de Previdência Social.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Homens devem ter no mínimo 65 anos para se aposentar

As principais propostas aprovadas no Senado, para órgãos públicos e privados preveem idade mínima para aposentadoria de homens aos 65 anos e 62 anos para mulheres. O tempo mínimo de contribuição para homens no setor privado é de 20 anos, e mulheres 15 anos. No setor público esse tempo é de 25 anos para homens e mulheres. Para os professores, o projeto prevê idade mínima de 60 anos para homens e 57, para mulheres, com tempo mínimo de contribuição de 25 anos para ambos os sexos.

O texto também estabelece o valor da aposentadoria, a partir da média de todos os salários, evitando a exclusão das 20% menores contribuições. A redação prevê que além de elevar alíquotas dessas obrigações para aqueles trabalhadores com salários acima do teto do INSS, que atualmente está em R$5.839,00, regulamenta meios de transição para trabalhadores no exercício de suas funções.

A redação foi aprovada após completar oito meses de encaminhamento da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) a essa parte do poder legislativo federal, pelo governo Jair Bolsonaro.

Para entrar em vigor, as propostas devem ser promulgadas pelo Congresso Nacional, com data a ser definida por Davi Alcolumbre, que pretende convidar os presidentes da República, Jair Bolsonaro (PSL), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo