Nesta segunda-feira (9), o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, fez uma crítica em público direcionada a secretária especial da Cultura, Regina Duarte, por ter usado o termo "facção" numa entrevista feita ao Fantástico, da TV Globo. Ramos ressaltou que seus secretários e ministros devem se moldar aos princípios defendidos pelo presidente Bolsonaro, e não o oposto.

Em sua conta no Twitter, Ramos destacou que o presidente Bolsonaro valoriza a Cultura, a família tradicional e os princípios cristãos e que o governo é regido pela vontade da maioria da população brasileira, dessa forma Regina Duarte e Bolsonaro devem permanecer pensando juntos.

Foi nessa rede social que Ramos afirmou que o uso do termo "facção em entrevista dá a entender que existem divisões no governo, o que de acordo com Ramos não existe e não é aceitável.

Ramos usa Twitter para criticar fala de Regina

No dia em que tomou pose do cargo, Regina Duarte, discursou afirmando que seu maior incentivador para que ela aceitasse o cargo havia sido o ministro Luiz Ramos. Contudo, atualmente, ao ser questionado em reportagem sobre o assunto, o ministro Ramos, afirmou que foi para chamar a atenção, pois acredita que Regina Duarte deve saber que qualquer declaração irá repercutir.

Assim, sua primeira entrevista como secretária do governo Bolsonaro foi marcada pela fala de que há uma facção que quer que ela se demita e se perca, e que existe uma hashtag #ForaRegina.

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, também criticou em seu Twitter o termo "facção" usado pela ex-atriz global. No texto, Camargo deseja um ‘bom dia a todos’ e em seguida ironizou afirmando sua exceção a aqueles que chama apoiadores do presidente de "facção".

Regina Duarte revela divergências com Camargo

Em sua entrevista, Regina também confessou que está tendo divergências com Camargo, pois acredita que o presidente da Fundação Palmares é mais ativista do que gestor público.

Regina Duarte trabalhava na TV Globo há 50 anos, mas decidiu aceitar o convite do presidente Bolsonaro, visto que compartilha da mesma ideologia. Logo, a atriz encerrou seu contrato com a TV e está se dedicando à Secretaria de Cultura.

Na primeira semana de posse de seu cargo, Regina exonerou "olavistas" de sua secretaria. Durante a entrevista ao "Fantástico", ela afirmou que foi uma ação necessária, visto que precisa estar rodeada de uma equipe em que possa confiar.

De acordo com a assessoria de Regina Duarte, o presidente Jair Bolsonaro não foi pego de surpresa pela entrevista cedida ao "Fantástico" e garantiu que o presidente estava ciente de tudo o que ela falaria.

Não perca a nossa página no Facebook!