O caso da menina de apenas 10 anos abusada por anos pelo próprio tio tem causado debates insistentes nas redes sociais. Alguns deles, no entanto, acabam viralizando por sua polêmica. Este foi o caso do padre Ramiro Perotto, que vive em Carlinda, a 774 km de Cuiabá.

Em sua postagem, Ramiro escreveu que a menina brutalmente abusada por quatro anos consecutivos até que engravidasse com apenas 10 anos gostava de ter relações íntimas.

Postagens

O padre acabou excluindo seu perfil e as postagens após grande repercussão negativa. Contudo, suas colocações revoltaram internautas que salvaram os posts, espalhando-os em pela rede.

Os comentários do padre foram motivados pela autorização judicial para que a menina realizasse o aborto. Dizendo-se contra o procedimento, ele alegou que a criança não era uma vítima de abuso.

Ao debater com um internauta, o padre pede que defendam a causa da menina em outro lugar. Em seguida, ele questiona se a pessoa realmente acredita na inocência da garota e se ele "acreditava em Papai Noel também", em tom irônico, supostamente afirmando que a criança não seria uma vítima da situação.

Ramiro ainda disse que 4 anos de abusos sem dizer uma única palavra significava que ela estava gostando. "Por favor, ela gosta de dar, então que assuma as consequências”, disse o padre, enquanto utilizava risadas em sua fala.

Para o religioso, além de a menina não ser vista como uma vítima, ele ainda a acusa de se fazer vítima dizendo que aposta a sua cara com isso, e que tudo isso é para que ela seja vista como uma inocente, voltando a repetir que ela gostava mesmo é de dar.

Extra

De acordo com o jornal Extra, que foi quem divulgou a notícia, após a repercussão negativa dos internautas, incluindo seguidores, o padre decidiu se manifestar novamente sobre o assunto, porém, em um tom diferente, e através de uma nota que enviou ao “Mato Grosso Ao Vivo”, na última quinta-feira (20).

Além de admitir a autoria dos comentários, Ramiro se desculpou.

Pedido de desculpas

Em nota, o padre assume ter realizado três postagens relacionadas ao caso da menina de 10 anos, mencionadas por ele como posts em defesa da vida, e disse que assumia total responsabilidade pelo fato exposto.

Ramiro comunica também que ele mesmo retirou as postagens do ar após receber ataques de internautas e admite ter proferido diversas palavras desagradáveis sobre a vítima, justificado pela prática em defesa da vida, porém, diz que ele não condena ou faz julgamentos.

Ramiro admitiu também que as palavras proferidas foram de baixo calão e que não representam e nem condizem com sua fé e crença e pede perdão a qualquer pessoa que ele possa ter ofendido com suas publicações e que prega a fraternidade entre as pessoas.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Mulher
Seguir
Siga a página Religião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!