Após o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) dizer que ex-presidente Dilma Rousseff (PT) não sofreu torturas durante a ditadura militar, Rodrigo Maia (DEM-RJ) se manifestou sobre o assunto em defesa dela.

Maia disse nas redes sociais que Bolsonaro não possui caráter humano, pois fazer desdém da dor do outro é uma forma de tortura. O pai dele, Cesar Maia, é considerado um militante de esquerda que se exilou no Chile no fim da década de 1960 em função de perseguições da ditadura que acontecia no país.

Apesar de ter nascido no Chile, Maia foi registrado no consulado do Brasil que fica em Santiago, o que lhe faz ser um brasileiro nato.

O presidente da Câmara disse que apesar de discordar de algumas opiniões da ex-presidente Dilma, ele prestava solidariedade por ter a consciência e respeito pelo próximo.

Dilma se manifestou sobre o assunto por meio de nota, onde rebateu Bolsonaro o qual ela classificou como um sociopata que não tem empatia pela dor outro, e que o mesmo possui índole de torturador. Ela pontuou ainda que Bolsonaro não merece a confiança dos brasileiros.

Bolsonaro questionou a veracidade dos fatos ocorridos com ex-presidente Dilma quanto às torturas, e pediu que fossem comprovadas por meio de exames médicos.

Bolsonaro pediu para que fosse realizado um raio-x na mandíbula local onde Dilma alega que sofreu lesões.

FHC repudia fala de Bolsonaro sobre Dilma

Além de Maia, outros líderes de Governo também comentaram sobre a polêmica do presidente da República. Um deles foi o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que repudiou a fala de Bolsonaro ao dizer que fazer brincadeiras de mau gosto com a tortura sofrida por Dilma ou qualquer outra pessoa é inaceitável.

O ex-presidente ressaltou que isso não deve partir de ninguém, independente de concordar ou não com as opiniões das pessoas que foram vítimas da ditadura.

Baleia Rossi defendeu Dilma

O candidato à presidência da Câmara apoiado por Maia, deputado Baleia Rossi (MDB-SP), expôs sua opinião sobre o ocorrido e saiu em defesa da ex-presidente Dilma, dizendo que não se tratava de defender partidos da esquerda, centro ou direita, mas sim da dignidade humana.

Em seguida ele prestou solidariedade à Dilma e ressaltou que a tortura nunca mais deve prevalecer no Brasil.

Baleia é presidente nacional do MDB e disputa a cadeira de Maia contra o líder do Centrão, Arthur Lira (PP-AL), apoiado por Bolsonaro.

Bolsonaro sempre foi um desafeto da ex-presidente Dilma desde a época da ditadura, ele inclusive já desejou que a esquerdista morresse vitimada de um câncer, durante uma sessão na Câmara dos Deputados, quando ele era deputado.