O magistério gaúcho está vivendo um dilema. Sem dinheiro para curtir as férias, muitas famílias, acostumadas a viajar, estão confinadas em seus lares porque o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, não depositou salário das férias que é dividido em duas etapas - 1/3 no dia 5 de janeiro e o saldo restante em fevereiro, na mesma data.

Em entrevista ao jornalista Rogério Mendeklskina manhã desta última sexta-feira, dia 8, no programa 'Agora' da Rádio Guaíba, de Porto Alegre, o governador explicou as razões deste atraso.

Ele atribuiu a difícil situação fiscal em que se encontra o Rio Grande do Sul. Segundo ele, com as novas alíquotas do ICMS para 30%, aprovadas pela Assembleia Legislativa - partir do segundo semestre o RS terá condições de honrar todos os seus compromissos. No entanto, ele deverá manter o calendário de pagamento atéequilibrar as finanças do Estado pagando as férias junto com os salários de janeiro e fevereiro que acontecerão no final de cada mês.

Mas isso não é tudo, recentemente o governador resolveu parcelar os salários em quatro vezes de todo funcionalismo público, desde o mais alto escalão da Brigada Militar até o mais humilde serviçal. E como se isso não fosse o suficiente, obrigou a todos quedesejassem receber seu 13º salário acontraírem um empréstimo nas agências doBanco do Estado do Rio Grande do Sul.

Quer Piso?

Esta desavença entre o magistério gaúcho e o governador José Ivo Sartori (PMDB) não é de agora.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Relacionamento Educação

Ele revoltou professores do Estado ao ser jocoso, associando o piso salarial da categoria com os vendidos na loja de materiais de construção Tumelero. Sartori, ao ser questionado pelo se assinaria um documento se comprometendo a pagar o piso salarial da categoria, ele disse sem nenhum constrangimento: “Se vocês querem piso vão comprar na Tumelero!”

Leia mais:

Porto Alegre: Cidade símbolo do Mercosul fica isolada do restante do Brasil

Efeito gangorra na economia da fronteira do Rio Grande do Sul: enquanto uma agoniza a outra é salva pela crise

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo