Um bebê de apenas 1 ano e 6 meses morreu após comer duas pedras de crack. O caso aconteceu na cidade de Bagé, região da campanha do Estado do Rio Grande do Sul. Segundo informações prestadas pelo conselho tutelar, a #criança ingeriu as pedras de #crack que estavam em uma gaveta na casa da família. Após passar mal, a criança deu entrada no pronto socorro da Santa Casa de Misericórdia de Bagé no dia 19, vindo a falecer no sábado 20. A mãe declarou, aquando do atendimento no Hospital, que tudo aconteceu enquanto ela estava dormindo.

O caso ainda está sendo investigado pela 2.ª Delegacia de Polícia da cidade. Conforme declaração da Delegada responsável pelo caso, aspectos como quem era o responsável pela #droga ou como a criança teve acesso ainda devem ser apurados mediante inquérito policial. A criança vivia com a mãe e a avó no bairro Ibaje, e o pai está preso por tráfico de drogas .

O corpo da menina foi enterrado no Cemitério Público Municipal no na manhã do domingo dia 21 .

O crack

O crack, também conhecido como pedra, é a cocaína solidificada em cristais. O nome crack vem do inglês e deriva do som característico que a pedra faz ao ser queimada.

Essa droga é conhecida como a mais viciante de todas formas conhecidas de alucinógenos. Segundo relatos, causa uma curta mas intensa euforia a quem fuma.

Os efeitos causados pelo fumo do crack são muitos, mas todos muito rápidos. Entre eles destacam-se: euforia, agitação, sensações de prazer, irritabilidade, alterações da percepção e do pensamento, taquicardia e tremores, perda de apetite, extrema autoconfiança, insônia, estado de alerta,aumento de energia/disposição física.

Ainda não existe tratamento que elimine totalmente o vício em crack, visto que é uma doença crônica e grave que exige tratamento a longo prazo, com acompanhamento constante dos vários aspectos afetados pelo seu uso, nomeadamente ao nível social, familiar, física, mental, questões legais, qualidade de vida, capacidade de trabalho.

Os melhores vídeos do dia

É fundamental adotar estratégias de prevenção de recaída.