Em Porto Alegre, RS, o museu do Santander Cultural decidiu fechar as portas após milhares de 'ataques' vindos das redes sociais motivados por algumas imagens do cartaz Queermuseu, que mostravam relacionamento sexual envolvendo crianças e animais. Já nesse último domingo, 10, as portas da Exposição não abriram. Em seu Facebook, o Santander Cultural disse que a exposição, que começou no dia 15 de agosto, não tinha a intenção de gerar discórdia ou desrespeito nas pessoas, e por isso decidiu que o evento não aconteça mais – o museu ficará fechado até 8 de outubro, quando uma nova exposição, com um novo tema, dará entrada no local.

O cartaz Queermuseu reunia mais de 270 obras, criadas por cerca de 90 artistas. Algumas delas foram consideradas de cunho sexualmente ofensivas por algumas pessoas que visitaram o evento. Alguns visitantes, inclusive, tentaram tirar fotos das imagens que consideravam 'pornográficas', mas não era permitido fotografar as obras expostas. Nas redes sociais, algumas páginas fizeram protestos contra o evento.

"Galera, tem uma exposição rolando no Santander Cultural aqui em Porto Alegre – a mostra QueerMuseu – que tem como 'obras de arte' imagens que incentivam a pedofilia, a zoofilia e ultraja os cultos religiosos. Se você é contra esse tipo de atitude e repudia a exploração sexual de crianças e animais, entre na página do Facebook dos caras e avalie com a nota mínima a instituição deixando a sua mensagem de repúdio. E outra: se você conhece alguém que tem conta nesse banco, mostre esse post!", diz a página "Socialista de iPhone", no Facebook.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
LGBT

Coordenador diz que imagem retratou 'criança viada'

"Quando sofreram na pele o que a população LGBT sofre todo dia, fizeram a opção de não bancar e cancelar a exposição.", disse o coordenador da ONG Somos, Gabriel Galli. Ele desaprovou a decisão do Santander Cultural de encerrar com a exposição que, de acordo com o banco, tinha a intenção de explorar a diversidade de expressão de gênero e algumas diferenças que envolvem o mundo da arte e da cultura humana em diversos períodos históricos.

Com relação às críticas vindas de internautas que diziam que a exposição incentivou a pedofilia e a zoofilia, Gabriel contou que são todas infundadas: "Elas [as críticas] vêm de pessoas que não fizeram um esforço mínimo para compreender o que a obra queria dizer", disse o coordenador. Sobre uma das obras que mostraria uma criança envolvida em um momento de cunho sexual, Gabriel, no entanto, explica que se tratava de um mal-entendido.

Para o representante da ONG Somos, a imagem não representa nenhum tipo de pedofilia. Para Gabriel, o 'alvoroço' surgiu por conta de um jornalista que espalhou a informação de que a criança estava cometendo atos libidinosos, no entanto, de acordo com o representante da ONG, ela estava 'apenas representada em uma das obras que fala em criança viada'.

A socialista Luciana Genro, ex-candidata à Presidência da República, repudiou o cancelamento da exposição:

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo