O trágico caso de uma criança morta numa favela do Rio de Janeiro não para de ter novos acontecimentos para tentar elucidar o ocorrido. Desta vez, dois policiais que estavam a trabalho no dia e na hora que o menino foi atingido admitiram terem feitos alguns disparos, mas nenhum deles com a intenção de matar nenhuma criança. Um deles disse que disparou enquanto tentava se abrigar e escorregou, e o outro muito abalado não consegue explicar com coerência o que aconteceu, mas acha que pode ter sido o autor do disparo e está internado com surto psicótico no hospital.

Os policiais, que faziam parte da UPP do local, estavam servindo de guias para outros policiais do BOPE quando houve confronto e se ouviram os disparos.

Como a investigação é sempre da Policia Civil, os encarregados disseram que não vão poupar esforços para descobrir quem foi o culpado e se teve a intenção ou não de assassinar o menino. O que já se sabe com certeza é que o tiro partiu de um fuzil, como relataram os moradores que testemunharam o ocorrido no local.

A Policia trabalha com a hipótese de tiro acidental por parte do policial, ou represália num ato extremo de crueldade dos bandidos locais de querer incriminar a polícia e inflamar os ânimos dos moradores, assim dando margem de tempo para eles fugirem para outra localidade. Especialistas em segurança dizem que praticamente todos os policiais tem filhos, ou sobrinhos, e que jamais teriam coragem de matar uma criança de propósito. E que o fato será investigado até as últimas consequências para não restar dúvidas do que de fato aconteceu no dia.

Os melhores vídeos do dia

Os investigadores da Delegacia de Homicídios estão esperando apenas a família do menino voltar do Piauí, onde ele foi enterrado em sua terra natal. O Estado do Rio de Janeiro cobriu todos os gastos de movimentação da família e do corpo da criança até lá. O delegado responsável disse ser imprescindível o uso da reconstituição do crime para saber quem estava, e aonde estava, na hora em que o menino caiu ao chão com um tiro em cheio em sua cabeça.