Quem pensa ir ao Corcovado no próximo final de semana vai precisar dar uma paradinha no caminho. É que pertinho da estação de trem que leva ao Cristo Redentor está o Museu Internacional de #Arte Naïf (MIAN), que estará promovendo em seus jardins (Rua Cosme Velho, n° 561) uma feira incrível de artesanato nos próximos dias 12 e 13 de dezembro, das 10h às 16h30. A entrada é franca.

Trata-se do projeto Artesanato no Naif que reunirá mais de 30 artesãos expondo e comercializando peças artesanais como patchwork, bordados, bijuterias em couro e prata e objetos em cerâmica. Ótimas opções de presente para as festas de final de ano com preços que cabem no seu bolso.

Além disso, quem adquirir os produtos terá 50% de desconto no ingresso para visitar o Museu Naif.

O projeto é uma iniciativa da Ong ATOAR em parceira com a Cooperativa Mistura Carioca com o apoio do MIAN. Estarão presentes no evento dois artistas naifs, que têm suas obras expostas no museu permanentemente.

Sobre o MIAN

Desde 1995 o MIAN está instalado no Cosme Velho com um acervo permanente de 6.000 pinturas de artistas de 120 países. Dirigido por Jacqueline Finkelstein (filha do fundador francês) é considerado a maior coleção do gênero naif no mundo. Além da exposição permanente o Museu oferece vários cursos de artes manuais e tem nas instalações do prédio histórico uma lojinha de suvenir e um café. 

A exposição permanente apresenta cinco temáticas: "Uma viagem na Alma Brasileira", "Brasil 5 séculos: um olhar naif", "Rio de Janeiro Naif", "Mestres Naifs Brasileiros" e "Rio de Janeiro Gosto de Você, Gosto dessa gente feliz Brasil Naif".

Os melhores vídeos do dia

O Museu funciona de terça a sexta-feira, de 10h às 18h e sábado e domingo, de 10h às 17h.

Arte Naif

Naïf  tem uma forte ligação com a natureza. Como adjetivo francês, naïf significa nascente, natural, espontâneo, primitivo. A pintura naïf é natural, livre e pura. Esse termo foi cunhado pela primeira vez como um apelido utilizado para designar a personalidade e a obra do pintor Henri Rousseau (1890). Entre os brasileiros destacam-se Agostinho de Freitas, Aparecida Azedo e Bebeth.

#Rio Cultura #Rio2016