Anúncio
Anúncio

A prefeitura do Rio de Janeiro já elegeu o seu primeiro grande adversário para as Olimpíadas de 2016, que terá como palco a Cidade Maravilhosa a partir do dia 5 de agosto – data da cerimônia de abertura oficial do evento. Mas não se trata de um grande maratonista queniano ou de um ginasta invencível do leste europeu. O principal inimigo sequer disputa medalhas: trata-se do zika vírus, transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti, o mesmo transmissor da dengue.

No mundo, há um temor de que a epidemia do vírus possa ganhar maiores proporções durante os Jogos. Prova disso foram os recentes alertas emitidos dos governos de países como Estados Unidos e Canadá, solicitando que mulheres grávidas não compareçam ao Brasil no período do evento.

Anúncio

As Olimpíadas tem como tradição reunir milhares de fãs e turistas espalhados por todo o mundo, independentemente do país em que é realizada. A expectativa é que esse panorama não se altere no Brasil em 2016.

A preocupação dos países citados com relação às mulheres grávidas se dá em decorrência da associação do zika vírus com a microcefalia, entretanto, a prefeitura e as autoridades responsáveis do Rio de Janeiro já trabalham de forma preventiva para conter o avanço do vírus. Já está em curso um processo de vistoria nas instalações olímpicas, cujo o intuito central é eliminar potenciais criadouros do mosquito, também propulsor da dengue e do chikunguya.

Em nota enviada à emissora BBC, que se propôs a abordar o delicado tema, a prefeitura do Rio de Janeiro adiantou que a partir do mês de abril, isto é, quatro meses antes dos Jogos, intensificará o trabalho de vistoria e dará atenção especial às obras que já estarão em fase final de conclusão.

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

Tudo para que elas não funcionem como uma espécie de auxílio para a proliferação do perigoso mosquito.

Atualmente, cerca de 3 mil agentes vinculados à prefeitura da capital carioca trabalham visando conter o avanço do Aedes aegypti. Oficialmente, ainda não se sabe se esse número de funcionários será ampliado com a maior proximidade dos dias de evento. Por outro lado, quando faltar apenas um mês para a largada das Olimpíadas, a organização promoverá uma grande operação: uma extensa vistoria nas instalações dará um parâmetro sobre a necessidade de “borrifar” inseticida por meio de caminhonetes, o chamado fumacê.

E após o início?

A partir do dia 5, data da abertura oficial, as competições, e em diferentes modalidades, tomarão conta do Rio de Janeiro e envolverão milhares de turistas.

Anúncio

Com relação ao zika vírus, a preocupação dos organizadores aumenta, na medida em que está absolutamente descartada a possibilidade da aplicação do inseticida nas proximidades e no interior dos ginásios e locais das disputas.

O grande temor é justamente por se tratar de um produto potencialmente químico, que pode prejudicar a saúde tanto dos atletas como do público presente nas arenas. “É um produto químico não recomendado para ambientes que estejam com um grande aglomerado de pessoas”, diz a nota do Rio de Janeiro enviada à BBC.

Faltando menos de sete meses para os jogos, o Rio demonstra estar atento e em sintonia com a necessidade de se proteger do Aedes aegypti. E na disputa de eliminar o mosquito e oferecer ótimas condições aos atletas e ao público, a torcida é para que a Cidade Maravilhosa ganhe medalha de ouro.