“É de praxe que ao ser parte da plateia de um espetáculo teatral, você apenas se sente em seu lugar, aguardando o que quer que o elenco e o diretor tenham preparado para entretê-lo ou mostrá-lo. E chega a ser curioso que, quando se entra no teatro, é possível ouvir em alto e bom tom todas as dificuldades passadas pelo elenco, ditas pelos próprios atores. A vida é dura, mas traz os seus presentes”.

Cruel foi a quarta apresentação realizada pela Oficinal Social de Teatro em sua 2º Mostra de Verão OST, realizada no dia 03 de março. Finalizando a esta primeira parte da cobertura, que se conclui com as apresentações “Fragmentos do Real” no próximo dia 9; e “A Noite Pestilenta”, no dia 13 de abril.

Dirigida por Amaury Lorenzo, “Cruel” trouxe uma abordagem ainda mais visceral e forte em comparação ao seu outro espetáculo, “O Despertar da Primavera”.

Com alguns dos textos de Plínio Marcos, o “escritor maldito”, o público foi surpreendido desde o momento que entraram no teatro Eduardo Kraichete, com os depoimentos sinceros (e verdadeiros) do elenco, até as situações mais comicamente chocantes, que fazem parte do estilo de Plínio Marcos.

Tirando o chão do público

“Em uma voz estridente e levemente desafinada de uma jovem, os Sonhos de Caetano Veloso eram cantados em uma cena triste sobre o abandono de quem um dia quis amar e simplesmente deixou tudo para trás.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Ao término da canção sem instrumentos, os aplausos vieram quase que instantâneos. E o público, aturdido, mal percebia que o elenco os observava em revolta, respondendo da maneira mais teatral possível: 'TÃO APLAUDINDO PORQUE?! EU HEIN!”

Cruel chamou atenção pela maneira intensa com que foi mostrada cada situação retratada em suas cenas. A sexualidade poderia ser o principal fator, explícito ou implícito, mas na verdade os Relacionamentos são o verdadeiro mote.

Dos gostos execráveis de um cafetão para com sua esposa e cunhada, ao fim de um namoro cuja diferença de idade se tornou um infortúnio, o peso da realidade das situações em Cruel não era leviana.

Contribui para esta crueza o minimalismo em palco. Além dos figurinos que exploravam a sensualidade do elenco, a música ora cantada pelo elenco ora como pano de fundo, a falta de elementos cenográficos, e a iluminação que brincava com a presença dos atores em palco, transformaram toda a peça em algo ainda mais especial.

Saindo do fundo do poço

“No final do espetáculo, o cortiço que desacortinava um lado que muitos se negam a enxergar, mas que tem seus adoradores obscuros traziam uma sensibilidade perdida em tanta sujeira velada. O que os personagens mostravam ao público é que nem todos estavam naquele mundo terrível por quererem. E independente do motivo, a tristeza oculta davam os seus sinais de que é possível mudar.”

Cruel poderia ser facilmente um retrato de uma realidade ao mesmo tempo comum e trágica.

Mas ao final dele, no verdadeiro final, se transforma em relatos de pessoas que poderiam ser muito mais próximas de nós. E ao público que conseguiu captar estas nuances, é possível mostrar a estes personagens que, mesmo a sociedade cruel que se mostra a quem está no fundo poço, há um luz de esperança a se seguir. Longínqua, mas alcançável.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo