Mais um triste caso envolvendo estupro no Rio de Janeiro, pois a jovem que há pouco mais de 3 anos sofreu uma tentativa de Violência sexual no alojamento da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, localizado em Seropédica, acabou se suicidando. A garota de apenas 23 anos estava frequentando o curso de Educação Física e se matou na casa dos pais, em Nova Iguaçu, deixando os familiares e amigos chocados com o desfecho da história.

A irmã da jovem contou que a garota chegou a reagir para não ser estuprada e que logo foi à delegacia onde registrou a ocorrência, só que o agressor, mesmo sendo identificado, nunca foi preso. Ainda de acordo com a irmã da vítima, a jovem era uma estudante dedicada, mas depois disto ela nunca mais foi a mesma e teve o sonho interrompido porque a universidade não oferece o mínimo de segurança.

A universidade emitiu uma nota se dizendo solidária à família e amigos da jovem que foi sepultada na sexta-feira (27).

Ainda de acordo com a universidade onde a jovem estudava, o agressor chegou a ser punido com "repreensão formal" e também foi suspenso do alojamento rural, onde a tentativa de estupro teria ocorrido. Entretanto ele continuou frequentando a faculdade normalmente e não foi afastado do curso que frequenta. Enquanto isto a jovem abalada emocionalmente e sendo vítima de "brincadeiras" dos demais alunos, não conseguiu levar o estudo adiante e precisou trancar a matrícula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Amigas da jovem vítima de tentativa de estupro revelam que ela era uma garota alegre, estava na equipe de líderes de torcida e vivia feliz, mas desde o episódio que ela mudou e principalmente de algumas semanas para cá tinha ficado triste e parou de ir às aulas. Uma amiga mais próxima revelou que ela estava com depressão e isto a teria levado a cometer suicídio.

Mais de 200 alunas realizaram um protesto na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro no último mês de abril, onde todas usavam roupas pretas e pediam justiça, pois mais de 3 alunas foram violentadas na universidade só este ano.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo