Com a chegada do carnaval, camelôs da cidade do Rio de Janeiro se inspiraram nos últimos desdobramentos nos presídios de Bangu. As camisas usadas diariamente pelos presos do local são vendidas e prometem tornar-se tendência para os blocos. Uniformes da cor verde, com os nomes estampados do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, sua esposa Adriana Ancelmo e o empresário Eike Batista, chamam a atenção na praia de Botafogo. O preço de cada camisa é R$ 10 e ainda é possível negociar um certo desconto para a compra de duas peças ou mais.

O juiz federal Sérgio Moro também ganhou notoriedade com a fantasia Super-Moro, vendida em diversas lojas no centro do Rio de Janeiro. Com a repercussão de seu trabalho na Operação Lava Jato, a roupa virou uma forma de homenagear o magistrado através de uma camiseta azul com escudo dourado no peito e uma capa vermelha. Porém, algumas pessoas criticaram a comparação do juiz com a de um herói.

"Eu vou me fantasiar de quem acha Moro herói: palhaço" - relata uma pessoa através dos comentários do portal "Extra Notícias".

Política e Carnaval

As sátiras políticas presentes nas marchas de carnaval e a inclusão do humor para tratar dos últimos acontecimentos deste meio, são mais antigas do que parecem. De acordo com o livro "Política e Religiões no Carnaval", do jornalista e escritor Haroldo Costa, a relação entre política e carnaval remete a 1761, quando foi feita uma homenagem ao nascimento do príncipe da Beira D. José.

“O Carnaval no Brasil é um acontecimento que mobiliza todo mundo. Tem crítica, mas também tem homenagem e elogio.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Carnaval

Nos outros países a festa é mais localizada e, na maioria das vezes, consiste em um baile de máscaras ou um desfile de carros”. - diz o escritor.

No livro "A corte em festa: experiências negras em carnavais do Rio de Janeiro", o autor Eric Brasil defende: "O Carnaval sempre foi um ato político. Na Primeira República, a população negra utilizou o Carnaval para afirmar sua autonomia. Hoje, é um grande espaço de crítica política e social. No Carnaval, o humor e o sarcasmo funcionam como arma de transgressão política.

A brincadeira é uma forma de manifestação”.

Sendo assim, seja através de homenagens ou de críticas, o carnaval é uma festa em que o humor do brasileiro prevalece e ganha notoriedade através de diversas gerações, acontecimentos de cada época e também no mundo inteiro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo