Antes mesmo de nascer, o bebê de Claudineia dos Santos Melo já sentiu a violência urbana que assola o Rio de Janeiro. A criança é mais uma vítima da guerra entre policias e traficantes nas favelas cariocas, um dos lugares mais violentos do mundo.

Atingida por uma bala perdida, Claudineia foi levada de emergência para o hospital, onde, depois de uma cesariana de emergência, os médicos descobriram que o bebê também tinha sido atingido pelas balas perdidas durante o intenso tiroteio.

A bala infelizmente tinha atravessado o quadril da mãe e atingido a criança [VIDEO], perfurando os dois pulmões e a clavícula, provocando uma lesão na coluna.

Inicialmente medicado no hospital Moacy do Carmo, em Duque de Caxias, onde passou por duas cirurgias, o bebê foi transferido para o hospital Adão Pereira Nunes, na Baixada Fluminense, onde passou a ser acompanhado por uma equipe de neurologistas.

Mãe e filho tiveram que ser separados na hora do parto, pois ambos estavam em grande risco de morte [VIDEO]. Os dois só puderam se conhecer vários dias depois, pois corriam risco de morrer e precisavam de cuidados médicos intensivos.

No programa Fantástico, da Rede Globo, no passado domingo, Claudineia relembrou tudo o que passou no exato momento em que acontece a tragédia. Ela estava na Favela do Lixão, quando tudo aconteceu. A gestante estava saindo do supermercado, quando escutou os estampidos das balas. Quando se deu conta, viu que havia sido atingida pelos tiros, e começou a ter dores enormes na barriga, quase sem entender o que estava acontecendo naquele momento.

Os melhores vídeos do dia

No hospital, a cirurgia foi um sucesso e a criança felizmente conseguiu sobreviver. Porém, como foram atingidas duas vértebras torácicas importantes, corre o risco de ficar paraplégica no futuro, sendo ainda cedo para um diagnóstico mais preciso sobre as futuras sequelas que a criança poderá ter.

Para já, a boa notícia é que o bebê de Claudineia já não respira por tubos, tendo sido desligado da máquina. O prognóstico dos médicos é reservado, tudo vai depender de como será a evolução do quadro clínico durante os próximos 30 dias.

A polícia está investigando o caso. Em depoimento, dois policiais militares afirmaram que foram atacados a tiros, mas que não revidaram. Quando perceberam que Claudineia estava ferida, levaram-na para o hospital.

E você, o que achou desta notícia sobre a violência urbana? Comente, sua opinião é muito importante para nós.