Wilson Witzel (PSC) foi eleito governador do Rio de Janeiro no último domingo (28), ao vencer Eduardo Paes (PSC), e chegará com tudo ao comando de um dos estados que mais sofre com a violência no país.

Uma das primeiras solicitações de Witzel como governo eleito – a posse acontece no dia 1º de janeiro – foi pedir às tropas de elite das policiais fluminense que fizessem um levantamento para saber qual o número de snipers, os chamados atiradores de elite, disponíveis.

O objetivo dos snipers será o de abater criminosos que estiverem portando fuzis a partir do dia 1º de janeiro. A informação foi dada pelo próprio governador eleito em entrevista a GloboNews, nesta terça-feira (30).

Witzel disse que pediu o número de snipers disponíveis ao Batalhão de Operações Especiais (Bope) e Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (Core). Os atiradores de elite utilizam fuzis com mira telescópica e isso possibilita tiros de até 800 metros de distância com imensa precisão.

A ordem será atirar em quem portar fuzis

Na entrevista a GloboNews, Witzel afirmou que os policiais serão incentivados a atirar caso identifiquem bandidos portando fuzis. O novo governador, porém, não garantiu que os policiais que fizerem isso sairão ilesos. Há o risco de serem expulsos da corporação.

Tudo vai depender da decisão da Justiça. Witzel, que atuou como juiz por muitos anos, porém, garantiu que os policiais que fizerem isso serão defendidos nos processos judiciais correspondentes.

Durante a conversa com os jornalistas, ele foi lembrado de casos em que policiais se confundiram, como no caso do jovem que estava na garupa de uma moto portanto um macaco hidráulico. Policiais confundiram com um fuzil e mataram o rapaz. Houve casos também em que guarda-chuvas foram confundidos com armas.

Witzel argumentou que em nenhum desses casos o tiro partiu de um sniper, que é um profissional treinado e habilitado para esse tipo de atividade. O governador eleito garantiu que não será qualquer policial que atuará como sniper.

O político do PSC também disse que prefere ver um policial no tribunal, sendo julgado por ter matado um bandido, do que ir ao funeral.

Ex-juiz federal, Witzel afirmou que participou de diversos júris de policiais acusados de matar bandido. Segundo ele, todos foram inocentados.

O governador eleito disse ainda que bandido com fuzil na mão não é gente que preste. A firmeza na área de segurança de pública e o apoio de Jair Bolsonaro (PSL) fizeram Witzel saltar do quarto para o primeiro lugar no primeiro turno da eleição do Rio de Janeiro. No segundo turno, ele venceu Eduardo Paes.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!