No ultimo fim de semana uma menina de 12 anos fugiu do acampamento cigano onde morava com sua avó na cidade de Pedregulho, a 40 Km de Franca, interior de São Paulo, após ser obrigada a ser casar.

Após fugir, ela e a avó passaram a sofrer ameaças, afirma a polícia, proferidas principalmente pelo homem com quem a adolescente foi obrigada a se casar e que ficou inconformado com a fuga.

A garota disse que vivia com a avó em um acampamento e que foi prometida, segundo as tradições ciganas locais, a um rapaz com quem se casou.

Ela conta que tentou várias vezes resistir à união, porém, quando sua avó precisou viajar, um grupo resolver realizar o casamento.

Na última sexta-feira, dia 7, após a celebração do casamento, na noite de núpcias, a garota fugiu do acampamento e solicitou ajuda em um estabelecimento comercial. Em seguida ela foi encaminhada ao Conselho Tutelar de Franca e levada a um lugar seguro, não divulgado, onde recebe acolhimento institucional.

A mãe da menina já havia se casado há muito tempo e também já havia se mudado do acampamento, como fez também o tio dela.

A avó da menina não pôde mais voltar ao acampamento devido à várias ameaças que as duas passaram a sofrer após o ocorrido. A menina e a avó continuam sobre proteção especial.

Na cultura cigana, o casamento é umas das tradições mais importantes e é natural a promessa de meninas, desde pequenas, a casamentos para que se possa preservar a cultura do povo. Muitas vezes, essa forma de arranjo para o casamento trata-se de algum interesse financeiro e normalmente a opinião da noiva não é levada em consideração.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Relacionamento

Para quem não cumpre o acordo há várias punições, entre elas, a expulsão do acampamento onde se reúne o povo.

Apesar da cultura, o Código Civil brasileiro, em seu art. 1.517, autoriza o casamento apenas aos maiores de 16 anos de idade, desde que tenham autorização dos pais ou judicial. Além dessas hipóteses, a mesma lei autoriza, excepcionalmente, também o casamento de quem não alcançou a idade mínima de 16 anos em casos de gravidez precoce, conforme destaca o art. 1520.

O fato está sendo investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Franca, órgão especializado, e está sendo comandado pela delegada Graciela Ambrósio, que é a responsável pela DDM de Franca.

As ameaças também estão sendo investigadas.

Pessoas ligadas à Família de uma noiva cigana foram mortas, há quatro anos no interior do Rio de Janeiro, depois que ela fugiu para não casar com o homem a quem foi prometida.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo